Fórumcast, o podcast da Fórum
04 de dezembro de 2018, 15h27

Sérgio Moro anuncia general do PSDB para a Secretaria Nacional de Segurança Pública

Guilherme Theophilo disputou as eleições ao governo do Ceará pelo PSDB, mas foi derrotado no primeiro turno com apenas 11% dos votos – contra 79,96% do petista Camilo Santana. Na campanha, o militar disse que não houve Ditadura no Brasil.

Sérgio Moro, futuro ministro da Justiça do governo Jair Bolsonaro, anunciou nesta terça-feira (4) o nome do general tucano Guilherme Theophilo para comandar a Secretaria Nacional de Segurança Pública. O general de quatro estrelas foi derrotado no primeiro turno da disputa ao governo do Ceará com apenas 11% dos votos – contra 79,96% do petista Camilo Santana.

Sem mencionar a sigla do PSDB, Moro disse que Theophilo se desfiliou do partido ao qual era ligado, ao anunciar o novo integrante da pasta no CCBB (Centro Cultural Banco do Brasil), onde funciona o gabinete de transição.

Fórum precisa ter um jornalista em Brasília em 2019. Será que você pode nos ajudar nisso? Clique aqui e saiba mais

“O general foi, como é sabido, candidato nas eleições desse ano, mas ele já se desfiliou do partido político ao qual estava filiado, então não existe nenhuma declaração político-partidária”, defendeu.

Moro também confirmou que o delegado da Polícia Federal Luiz Pontel de Souza será o secretário-executivo da pasta.

Fórum precisa ter um jornalista em Brasília em 2019. Será que você pode nos ajudar nisso? Clique aqui e saiba mais

“Não houve ditadura no Brasil”
Na reserva desde março de 2018, o general tucano teria descartado trocar o PSDB pelo PSL, de Bolsonaro. “Essa minha campanha aqui me deu muita experiência política. Não, não, me filio a partido. Só mesmo trabalho na segurança”, adiantou o General Theophilo, que deve ser o único nordestino na equipe de Moro.

Durante a campanha, em entrevista ao jornal O Povo, Theophilo disse que “não houve ditadura no Brasil” e que o País viveu um “contra-golpe democrático”. “Tivemos erros? Tivemos. Os militares subiram à cabeça, alguns deles exacerbados, os atos institucionais… mas o Brasil precisava ainda de um regime de exceção, não é ditadura, não houve ditadura no Brasil. O regime de exceção é um regime forte”, afirmou.

Agora que você chegou ao final desse texto e viu a importância da Fórum, que tal apoiar a criação da sucursal de Brasília? Clique aqui e saiba mais


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum