terça-feira, 29 set 2020
Publicidade

Sertanejos negam apoio a Bolsonaro: “fake news”

Parte dos artistas sertanejos que apareceram em lista da Secretaria de Comunicação Social da Presidência (Secom) como se tivessem participado de atividade junto do presidente Jair Bolsonaro foram retirados em atualização divulgada nesta quinta-feira (30). Alguns dos citados foram às redes sociais condenar a menção e classificaram a informação fornecida pelo governo como notícia falsa.

Matheus, da dupla Matheus e Kauan, foi um dos que não gostou de ver seu nome na lista. “Aqui nos EUA tentando tirar umas férias em paz com a família e um monte de gente mandando mensagem e propagando notícias falsas. Gente, kauan tb está aqui nós não fomos a lugar nenhum defender causa alguma e pra falar a verdade ficamos sabendo do que está acontecendo agora! não acreditem em tudo que leem na internet!”, publicou.

O cantor Hungria publicou um vídeo rebatendo a Secom. “Tá rolando fake news de que eu estava num evento político, não sei se a favor ou contra a meia-entrada. Meu dia foi totalmente corrido, sou homem para declarar tudo o que faço. Espero que vocês não acreditem em notícias falsas. Não sei do que se trata, não faço questão de saber. Não estive em evento nenhum, se alguém falar que eu tive, pede pra mandar foto, porque evento grande tem que ter foto”, declarou.

Na lista apresentada inicialmente pelo governo, estavam presentes mais 30 artistas do sertanejo. Segundo a Folha de S. Paulo, a versão atualizada cortou 22 nomes, acrescentou quatro e terminou com 18.

No evento, os presentes pediram o fim do direito à meia-entrada e divulgaram uma carta em favor do ex-capitão. “Os artistas sertanejos, que percorrem todos os cantos desse grandioso Brasil e vivenciam todos os dilemas e dificuldades do povo brasileiro, encontraram no governo do presidente Bolsonaro essa postura de um governante que trabalha em prol de seu povo, de seu país. Assim, expressamos espontaneamente nossos agradecimentos pelas ações e medidas do governo e manifestamos nosso apoio”, diz o documento que teve o número de assinaturas inflado.

Redação
Redação
Direto da Redação da Revista Fórum.