STF alfineta Bolsonaro usando negativa da frase de ministro da propaganda de Hitler

"O STF não proibiu o governo federal de agir na pandemia! Uma mentira contada mil vezes não vira verdade", diz a corte em tuite em que nega a máxima de Bolsonaro, de que o Supremo tirou poderes para que ele agisse na pandemia

Acusado por Jair Bolsonaro (Sem Partido) de impedir que ele agisse durante a pandemia da Covid-19, o Supremo Tribunal Federal (STF) respondeu ao presidente com uma alfinetada, usando a negativa de uma declaração atribuída a Joseph Goebbels, ministro da Propaganda do governo nazista de Adolph Hitler.

“O STF não proibiu o governo federal de agir na pandemia! Uma mentira contada mil vezes não vira verdade”, tuitou o STF em seu perfil oficial, juntamente com uma vídeo, que pede para os internautas que “não compartilhem fake news”.

“É falso que o Supremo tenha tirado poderes do presidente da República para atuar na pandemia. É verdadeiro que o STF decidiu que União, Estados e Prefeituras tinham que atuar juntos, com medidas para proteger a população. Não espalhe fake news”, diz o vídeo.

Atribuída a Goebbels, a frase “uma mentira dita mil vezes torna-se verdade” tornou-se um dos principais pilares do regime nazista na Alemanha.

O tuite foi publicado dias após Bolsonaro receber no Palácio do Planalto a deputada alemã Beatrix von Storch, líder do partido extremista AfD (Alternativa para a Alemanha), que tem notórias ligações com grupos neonazistas, e que é neta do ministro de Finanças do regime nazista de Adolf Hitler.

Nas redes, Beatrix fez uma série de elogios ao presidente brasileiro, a quem classificou como “um homem marcado por profundas convicções, pela sua fé cristã e pelo seu profundo amor pela pátria”.

Notícias relacionadas

Avatar de Plinio Teodoro

Plinio Teodoro

Jornalista, editor de Política da Fórum, especialista em comunicação e relações humanas.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR