Fórumcast, o podcast da Fórum
04 de agosto de 2019, 14h13

Suplente de Major Olímpio é peça chave no escândalo de Itaipu que pode levar a impeachment de presidente do Paraguai

O empresário Alexandre Giordano aparece como uma das principais figuras envolvidas em acordo de Itaipu que gerou crise política no Paraguai

Major Olímpio, Bolsonaro e Eduardo Bolsonaro (Reprodução/Youtube)

O empresário Alexandre Giordano, suplente do senador Major Olímpio (PSL-SP), é tido como o intermediário do esquema que alterou o acordo de Itaipu com o objetivo de favorecer a empresa Léros, que teria vínculo com a Família Bolsonaro. O acerto foi cancelado após o escândalo estalar uma crise no Paraguai que ameaça o presidente Mario Abdo e seu vice com um processo de impeachment.

Giordano foi apontado pelo advogado paraguaio José “Joselo” Rodríguez González, pivô do escândalo, como participante das tratativas com os paraguaios que modificaram o acordo de Itaipu como representante do governo Bolsonaro. Em entrevista a Fabio Victor e Thais Bilenky, da Revista Piauí, ele negou a identificação e disse que estava lá somente para escutar.

Ele afirmou que não conhece “ninguém do Paraguai” nem do clã Bolsonaro. “Não tenho amizade com o Bolsonaro, nunca nem dei a mão para o Bolsonaro, não tenho amizade com os filhos dele, não frequento a casa deles, não frequentam minha casa, tenho relação zero com eles”, disse à Piauí. Giordano lamentou a repercussão do caso e disse que agora ninguém mais o vê como empresário exitoso, apenas como lobista.

O acordo de Itaipu e a Léros

Com o acordo, já cancelado, o Paraguai renunciaria a uma série de benefícios, aumentando em 200 milhões de dólares os custos para a Ande, estatal paraguaia de energia, e, com a remoção de um artigo específico (6), privilegiaria empresas brasileiras que quisessem comprar o excedente, como a Léros.

Kléber Ferreira, fundador e diretor do grupo, que supostamente teria pedido a remoção do polêmico artigo, afirmou que enviou representante para a reunião à pedido da Ande e negou ser representado por Giordano.

As versões que circulam sobre o caso são contraditórias. Três figuras tidas como centrais nesse caso, Joselo, o vice-presidente Hugo Velázquez – quem teria colocado o advogado nas tratativas – e Giordano, contam histórias distintas, abrindo margem para muita especulação.

Impeachment

Neste domingo, o carro de Velázquez foi alvo de “ovadas” de manifestantes que pedem a continuidade do processo de impeachment contra ele e o presidente. Após o cancelamento do contrato, Abdo conseguiu dissipar a forte tensão que levava o Congresso a instalar o “juízo político”.

Por conta da polêmica, o diretor da estatal, Pedro Ferreira, o ministro das Relações Exteriores, Luis Castiglioni, e outras duas autoridades do país vizinho pediram renúncia. O caso ainda não teve grande repercussão no Brasil e pode ser investigado pela Comissão de Relações Exteriores do Senado.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum