Fórumcast #20
04 de agosto de 2019, 14h13

Suplente de Major Olímpio é peça chave no escândalo de Itaipu que pode levar a impeachment de presidente do Paraguai

O empresário Alexandre Giordano aparece como uma das principais figuras envolvidas em acordo de Itaipu que gerou crise política no Paraguai

Major Olímpio, Bolsonaro e Eduardo Bolsonaro (Reprodução/Youtube)

O empresário Alexandre Giordano, suplente do senador Major Olímpio (PSL-SP), é tido como o intermediário do esquema que alterou o acordo de Itaipu com o objetivo de favorecer a empresa Léros, que teria vínculo com a Família Bolsonaro. O acerto foi cancelado após o escândalo estalar uma crise no Paraguai que ameaça o presidente Mario Abdo e seu vice com um processo de impeachment.

Giordano foi apontado pelo advogado paraguaio José “Joselo” Rodríguez González, pivô do escândalo, como participante das tratativas com os paraguaios que modificaram o acordo de Itaipu como representante do governo Bolsonaro. Em entrevista a Fabio Victor e Thais Bilenky, da Revista Piauí, ele negou a identificação e disse que estava lá somente para escutar.

Ele afirmou que não conhece “ninguém do Paraguai” nem do clã Bolsonaro. “Não tenho amizade com o Bolsonaro, nunca nem dei a mão para o Bolsonaro, não tenho amizade com os filhos dele, não frequento a casa deles, não frequentam minha casa, tenho relação zero com eles”, disse à Piauí. Giordano lamentou a repercussão do caso e disse que agora ninguém mais o vê como empresário exitoso, apenas como lobista.

Veja também:  Tendência interna do PSDB repudia filiação de Frota: "Constrangimento à militância tucana"

O acordo de Itaipu e a Léros

Com o acordo, já cancelado, o Paraguai renunciaria a uma série de benefícios, aumentando em 200 milhões de dólares os custos para a Ande, estatal paraguaia de energia, e, com a remoção de um artigo específico (6), privilegiaria empresas brasileiras que quisessem comprar o excedente, como a Léros.

Kléber Ferreira, fundador e diretor do grupo, que supostamente teria pedido a remoção do polêmico artigo, afirmou que enviou representante para a reunião à pedido da Ande e negou ser representado por Giordano.

As versões que circulam sobre o caso são contraditórias. Três figuras tidas como centrais nesse caso, Joselo, o vice-presidente Hugo Velázquez – quem teria colocado o advogado nas tratativas – e Giordano, contam histórias distintas, abrindo margem para muita especulação.

Impeachment

Neste domingo, o carro de Velázquez foi alvo de “ovadas” de manifestantes que pedem a continuidade do processo de impeachment contra ele e o presidente. Após o cancelamento do contrato, Abdo conseguiu dissipar a forte tensão que levava o Congresso a instalar o “juízo político”.

Por conta da polêmica, o diretor da estatal, Pedro Ferreira, o ministro das Relações Exteriores, Luis Castiglioni, e outras duas autoridades do país vizinho pediram renúncia. O caso ainda não teve grande repercussão no Brasil e pode ser investigado pela Comissão de Relações Exteriores do Senado.

Veja também:  Lava Jato contra-ataca e PF de Moro coloca Guido Mantega na mira novamente

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum