segunda-feira, 21 set 2020
Publicidade

Surpreso com grau de promiscuidade entre Moro e investigadores, Lula diz que “a verdade fica doente, mas não morre”

Em reunião com seus advogados na manhã desta terça-feira (11), o ex-presidente Lula disse que já sabia do conluio entre o ex-juiz Sergio Moro e os procuradores da operação Lava Jato, mas demonstrou-se “surpreso” com o grau de promiscuidade na relação entre magistrado e investigadores, revelados nas conversadas via Telegram divulgadas pelos site The Intercept.

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo

“A verdade fica doente, mas não morre nunca”, disse Lula, ao comentar o caso com o advogado José Roberto Batochio, com quem esteve por duas horas na superintendência da Polícia Federal em Curitiba.

Cristiano Zanin, que também esteve com Lula na sede da PF, afirmou que o conteúdo das reportagens divulgadas pelo The Intercept confirma o que ele e outros advogados do ex-presidente vêm afirmando há anos. “As reportagens reforçam que o ex-presidente não teve direito a um julgamento imparcial”, afirmou ele. “Houve uma absoluta falta de imparcialidade e equidistância das partes.”

Zanin disse ainda que o teor das conversas deve ser usado por recursos que a defesa do ex-presidente apresentará à Justiça em busca de sua liberdade. Ele disse que a estratégia para apresentação desses recursos ainda está em discussão pela equipe que defende Lula.

Redação
Redação
Direto da Redação da Revista Fórum.