segunda-feira, 21 set 2020
Publicidade

Tabata Amaral é bombardeada de críticas após reunião com ministro sobre volta às aulas: “Lobby irresponsável”

Deputada do PDT entregou ofício a Milton Ribeiro com "sugestões de 85 professores, diretores, pesquisadores, pais e alunos" sobre o retorno às aulas em plena pandemia e internautas, contrários à retomada, não perdoaram

Em postagem nas redes sociais nesta quarta-feira (16), a deputada federal Tabata Amaral (PDT-SP) anunciou que se reuniu com o ministro da Educação, Milton Ribeiro, e entregou a ele um ofício com sugestões sobre a volta presencial às aulas em plena pandemia do coronavírus.

“85 professores, diretores, pesquisadores, pais e alunos participaram na sexta-feira passada de uma reunião aberta comigo para falar de #VoltaÀsAulas. Entreguei hoje ao ministro da Educação, Milton Ribeiro, um ofício com as sugestões desse grupo”, escreveu a deputada, junto a uma foto dela com o titular do MEC.

Tabata é defensora do retorno às aulas presenciais. Em artigo publicado recentemente na Folha de S. Paulo, a pedetista criticou a “polarização” sob a discussão de se retomar ou não as aulas e defendeu que “não podemos simplesmente cruzar os braços diante das graves consequências de se manter crianças e adolescentes fora da escola indeterminadamente”. Ela sugere um retorno às escolas baseado em medidas de segurança.

Seguidores da deputada e outros internautas, entretanto, acreditam que o país ainda está longe de controlar a pandemia e, por isso, citaram exemplos de que outros países que retomaram as aulas presenciais o fizeram com a crise sanitária já estabilizada. Além disso, argumentam que as escolas brasileiras não possuem qualquer tipo de preparo para manter a segurança de alunos, professores e funcionários.

A postagem de Tabata Amaral sobre a reunião com o ministro foi bombardeada com críticas. “É muito lobby forçando uma volta às aulas irresponsável e genocida. Já vimos exemplos de muitos paíaes que tiveram de voltar atrás e fechar de novo. Tudo para salvar o capital”, escreveu um usuário do Twitter.

“Da onde você tirou que tem psicólogo e assistente social disponíveis na escola pública? Escolas do interior em muitos estados, falta água. Eu lamento profundamente não ter aulas presenciais, mas vou lamentar mais a morte de colegas e alunos. Sua proposta está fora da realidade”, escreveu outro internauta.

Muitos cobraram a deputada por uma suposta falta de transparência na proposta de volta às aulas, já que ela não divulgou o conteúdo do documento entregue ao ministro da Educação.

“Quais foram as sugestões? Onde posso verifica-las? Quão representativa foi essa oitiva das realidade brasileira? Será que desigualdades de aceso à escola e condições de higiene, acesso água, acesso a materiais, etc foram contempladas nessa oitiva? Estou curioso para saber, grato!”, escreveu o usuário Rafa Lopes.

Confira a repercussão.

Ivan Longo
Ivan Longo
Jornalista e repórter especial da Revista Fórum.