Tarso Genro diz que é vitória politica do PT e de Lula o MP requerer progressão de pena

Integrantes da Lava Jato afirmam que ex-presidente já cumpriu parte da pena e tem bom comportamento na prisão

Ainda não se sabe se Lula irá aceitar cumprir a sua pena em regime semiaberto, como querem agora os procuradores do Ministério Público Federal em Curitiba. Para alguns, caso aceite sair da cadeia durante o dia para trabalhar, o ex-presidente deixaria o discurso de que é um preso político, por isso deveria continuar detido e só sair depois da anulação do seu julgamento que foi feito de forma injusta e imparcial pelo ex-juiz Sérgio Moro.

Mas tem quem entenda a questão de forma diferente e enxergue a decisão dos procuradores da Lava Jato como uma vitória do Partido dos Trabalhadores. “É vitória política nossa MP requerer progressão da pena de Lula. Porque: 1, fazem dentro da Lei; 2, é vitória política tirá-lo da custódia policial; 3, porque já temem que o STF resgate-se como Guardião da Constituição; 4, porque Lula “semi-livre” é mais perto de “Lula livre”, postou nas suas redes sociais o ex-ministro Tarso Genro.

Em nota, a defesa de Lula deixou em aberto a questão, afirmando que a decisão será tomada na próxima segunda-feira (30). “O ex-presidente Lula deve ter sua liberdade plena restabelecida porque não praticou qualquer crime e foi condenado por meio de um processo ilegítimo e corrompido por flagrantes nulidades. Sem prejuízo disso, conversaremos novamente com Lula na próxima segunda-feira (30) sobre o direito em questão para que ele tome a sua decisão sobre o assunto.”

Avatar de Gil Luiz Mendes

Gil Luiz Mendes

Jornalista vencedor do 5º Prêmio Tim Lopes de Jornalismo Investigativo e menção honrosa no 32º Prêmio Vladimir Herzorg de Direitos Humanos.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR