Tarso Genro: ‘Movimento de luta contra o fascismo não pode ser neutro em ideologia’

Ex-ministro defende hegemonia da esquerda nas alianças com setores do centro "para varrer efetivamente" o fascismo do país

Ex-ministro no governo Lula e ex-prefeito de Porto Alegre, Tarso Genro elogiou em entrevista ao Fórum Onze e Meia, nesta segunda-feira (14), as alianças que o ex-presidente Lula tem articulado com setores de centro. Para ele, esse é um movimento correto, mas defende a hegemonia da esquerda na frente ampla.

“Lula está fazendo um movimento rigorosamente correto. De uma parte ele não está excluindo pessoas e movimentos políticos mais centristas em seu relacionamento, e está buscando também alianças que seriam forças políticas a sua esquerda”, opinou Genro.

“Esse é um movimento correto porque uma frente não pode ser, mesmo na luta contra o fascismo, um movimento neutro do ponto de vista ideológico e político. Eu sou a favor de uma frente que abranja os setores centristas, democráticos, que não sejam neoliberais, mas acho que a esquerda tem que entrar de maneira articulada em uma frente como essa”, continuou.

O ex-ministro acredita que só com o protagonismo da esquerda em alianças como essas será possível “varrer efetivamente” o fascismo do país.

“Não só para disputar sua hegemonia, mas para segurar um debate ideológico na luta contra o fascismo. Não é só um debate político, é um debate que envolve uma série de questões culturais, de modo de vida, de visão de mundo, de relações horizontais na sociedade. Para que se tenha consequências dessa luta, para que a gente possa varrer efetivamente o fascismo, de uma maneira completa, para não permitir que eles tenham voz pública”, completou Genro.

Confira a entrevista completa:

Avatar de Luisa Fragão

Luisa Fragão

Jornalista.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR