No rastro do crime ambiental nas praias do Nordeste
08 de maio de 2019, 09h58

Tasso Jereissati critica estatais de saneamento e é acusado de querer privatizar água: “Senador Coca-Cola”

Em comissão mista que aprovou relatório do tucano sobre MP para privatizar serviços de saneamento, deputado Glauber Braga (PSol/RJ) acusou Tasso, que é acionista de uma maiores distribuidoras da Coca-Cola no mundo, de estar por trás dos interesses de empresas privadas no setor

Glauber Braga (PSol/RJ) e Tasso Jereissati (PSDB/CE) (Agência Senado)

Ao criticar o “corporativismo” em torno das empresas estatais de saneamento, na Comissão Mista que aprovou nesta terça-feira (7) o Marco Regulatório que permite a privatização do setor, o senador Tasso Jereissati (PSDB/CE) tomou uma invertida do deputado Glauber Braga (PSol/RJ).

“O senador Tasso Jereissati disse que parlamentares que estavam fazendo a defesa do povo brasileiro para que as pessoas não pagassem contas mais altas são corporativistas. Senador Tasso, corporativista é o senhor. Eu não sou dono da Coca-Cola e nem estou de olho nas reservas de água no Brasil. Quem está defendendo interesse do setor privado é o senhor, não eu. Vossa excelência defende interesses corporativos daqueles que querem a privatização da água no Brasil”, disse Braga, chamando o tucano de “senador Coca-Cola”.

Com um patrimônio estimado em R$ 400 milhões, declarado em 2014, Tasso Jereissati faz parte do Grupo Jereissati, que comanda a Calila Participações, única acionista brasileira da Solar, uma das 20 maiores fabricantes de Coca-Cola do mundo.

Foi da Solar que saiu a maior doação de campanha para Jereissati: R$1,5 milhão. A empresa tem 12 mil empregados, que seu site chama de “colaboradores”, que trabalham em 13 fábricas e 36 centros de distribuição.

Privatização
Tasso é o relator da MP 868/2018, conhecida como Marco Regulatório do Saneamento Básico, que, na prática, autoriza a privatização dos serviços.

O dispositivo mais contestado do projeto é a vedação aos chamados contratos de programa, que são firmados entre estados e municípios para prestação dos serviços de saneamento em colaboração. Os contratos de programa não exigem licitação, já que o contratado não é uma empresa privada.

O deputado Afonso Florence (PT-BA), autor de um voto em separado contra a MP, argumenta que a gestão associada está prevista na Constituição, cabendo aos estados e municípios disciplinarem essa cooperação. Ao proibir os contratos de programa, a proposta estaria interferindo sobre essa atribuição e incorrendo em “inconstitucionalidade flagrante”, afirmou ele.

O deputado Glauber Braga acrescentou que, sem os contratos de programa, a maioria das cidades teria que apelar para a privatização dos serviços, pois não teriam condições de fazê-lo por esforços próprios. Para ele, esse é o verdadeiro objetivo da medida:

“A MP obriga municípios a abrirem as portas para empresas privadas a qualquer custo. O setor privado está exercendo lobby sobre os deputados e senadores desta comissão”.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum