O que o brasileiro pensa?
17 de fevereiro de 2020, 17h36

Tatuagem e bandeiras “Lula Livre” viram febre em blocos de esquerda

Adereços de cabeça e outras tatuagens temporárias também marcam posições políticas no pré-Carnaval de São Paulo

Tulipa Ruiz - Foto: Alice Jardim

Como diz o coletivo Revolta da Lâmpada, fervo também é luta. Atores, atrizes, lideranças políticas e foliões em geral marcaram presença nos blocos do pré-Carnaval neste fim-de-semana de 15 e 16 de fevereiro.

O Acadêmicos da Ursal, antigo Bloco Soviético, que chegou a deixar de sair em 2018 e 2019 em parte por ameaças de ataques fascistas, retornou neste ano e reuniu 2 mil pessoas na frente do Tubaína Bar, que fica na Haddock Lobo, com suas releituras de marchinhas clássicas como “O teu discurso não nega, machista”, “Reaça Escravocrata” e outras releituras maravilhosas e bem humoradas. Estiveram presentes jornalistas, lideranças de movimentos de moradia e a esquerda festiva em peso. O bloco sai de novo dia 21 no Al Janiah e dia 29 novamente no Tubaína.

O Acadêmicos do Baixo Augusta, já tradicional no jovem Carnaval de rua de São Paulo, também teve presenças de artistas que não têm medo de se posicionar politicamente e colocam a cara e o corpo pra jogo.

Confira a galeria:


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum