Ouça o Fórumcast, o podcast da Fórum
23 de fevereiro de 2018, 13h09

Temer aposta tudo: “Se não der certo a intervenção, não deu certo o governo”

Ele desconversou sobre se é candidato: “A intervenção é uma jogada de mestre, mas nada eleitoral”

O presidente Michel Temer disse nesta sexta-feira em entrevista à “Rádio Bandeirantes” que a intervenção no Rio de Janeiro é ” um jogo de alto risco, mas um jogo necessário”. Temer disse também ter convicção que a medida dará certo.

— É um jogo de alto risco, mas um jogo necessário. E não vou ficar apenas na intervenção. Vou anunciar o Ministério Extraordinário da Segurança Pública – disse o presidente, completando:

— Se não der certo a intervenção, não deu certo o governo. Porque o comandante supremo das Forças Armadas é o presidente da República. Então o que as Foças Armadas nada mais fizeram foi responder ao comando do seu comandante supremo.

Indagado se seria candidato à reeleição, Temer negou:

— A intervenção na segurança do Rio de Janeiro é uma jogada de mestre, mas nada eleitoral. Eu sou candidato a fazer um bom governo — garantiu.

Ainda segundo o presidente, o Rio precisava da intervenção e o estado será “um exemplo para o país”. Indagado se há a possibilidade de o interventor general Valter Souza Braga Netto afastar agentes de segurança pública que hoje atuam no Rio, Temer foi categórico.

— Claro que há.

Para Temer, as Forças Armadas terão a função de garantir apoio para que a Polícia Militar desempenhe suas funções.

— Não sei se vai haver confronto entre militar, isso o momento lá é que vai dizer. Mas se houver confronto entre marginal, bandido armado, que sai dando tiro em um militar, é claro que ele não vai se deixar matar, deixar a segurança ficar absolutamente impune, não vai. Nós esperamos que não aconteça. Se for necessário, é partir para o confronto.

Depois, apressou-se em se explicar.

— ‘Pera’ um pouquinho. É que a gente diz essas coisas e a imprensa pega uma frasesinha e diz: ‘Temer agride os diretos humanos’.

E argumentou que está montando um grupo do Ministério de Direitos Humanos para acompanhar as ações, bem como conversas com grupos do Ministério Público. Ele destacou também a necessidade de engajamento do poder Judiciário para garantir agilidade no deferimento de pedidos urgentes.

Com informações do Extra


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum