Fórum Educação
20 de julho de 2017, 13h29

Temer nomeia Sérgio Sá Leitão para a Cultura depois da pasta ficar dois meses sem ministro

O presidente era pressionado por seus aliados a fazer uma indicação política para o ministério, mas seus auxiliares tinham receio de uma reação negativa da classe artística, que faz constantes críticas ao atual governo e defende a saída de Temer do cargo.

O presidente era pressionado por seus aliados a fazer uma indicação política para o ministério, mas seus auxiliares tinham receio de uma reação negativa da classe artística, que faz constantes críticas ao atual governo e defende a saída de Temer do cargo.

Da Redação*

Depois de quase três meses com o cargo vago, o presidente Michel Temer finalmente escolheu o novo ministro da Cultura. É o jornalista Sérgio Sá Leitão. A pasta estava sem titular desde maio, quando Roberto Freire (PPS) pediu demissão após a crise política aberta pela delação da JBS.

Sá Leitão foi secretário municipal de Cultura do Rio, na gestão Eduardo Paes (PMDB) e chefe de gabinete do Ministério da Cultura no período em que a pasta foi comandada por Gilberto Gil. Em abril, assumiu a direção da Ancine (Agência Nacional do Cinema). Ele já foi cotado para o MinC em maio do ano passado, mas Temer optou pelo nome de Marcelo Calero para a pasta.

Em comunicado anunciando a escolha, o Ministério da Cultura disse que Sá Leitão tem “ampla e reconhecida experiência na área cultural”.

O presidente era pressionado por seus aliados a fazer uma indicação política para o ministério, mas seus auxiliares tinham receio de uma reação negativa da classe artística, que faz constantes críticas ao atual governo e defende a saída de Temer do cargo.

Temer chegou a sondar a senadora Marta Suplicy (PMDB-SP), que comandou a pasta no governo Dilma Rousseff, mas ela não aceitou voltar ao posto.

Com a recusa, o presidente havia decidido deixar a nomeação apenas para depois da tramitação no plenário da Câmara de denúncia por corrupção passiva.

Ele, no entanto, resolveu antecipá-la para evitar que o PTB, que tinha interesse no posto, condicionasse o comando da pasta ao apoio para barrar a acusação contra ele.

A escolha de Sá Leitão, segundo assessores presidenciais, atende a cobranças para que o ministério fosse comandado por um nome com experiência no setor cultural, mas que também detenha entrada no meio político. O novo ministro tem boa relação, em especial, com o PMDB do Rio.

Sá Leitão será o terceiro titular do Ministério da Cultura em pouco mais de um ano de governo Temer. Além de Roberto Freire, também comandou a pasta o diplomata Marcelo Calero, que pediu demissão em novembro ao acusar o ex-ministro Geddel Vieira Lima de pressioná-lo para liberar a construção de um edifício nos arredores de uma área tombada de Salvador.

Quando assumiu interinamente a Presidência, em maio de 2016, Temer chegou a extinguir o Ministério da Cultura, que virou uma secretaria vinculada ao Ministério da Educação. Após protestos de artistas e gestores públicos, o presidente decidiu recriar a pasta, que foi entregue a Calero.

A relação do governo Temer com a classe artística tem sido marcada por protestos. Em setembro, Marcelo Calero, então ministro, foi xingado de “golpista” pela plateia de um festival de cinema em Petrópolis, no Rio, e abandonou o evento. Meses depois, Freire foi vaiado na entrega do Prêmio Camões e criticou o homenageado do evento, o escritor Raduan Nassar.

Foto: Reprodução TV Senado

 


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum