“Tenho que rir”, diz Kajuru sobre ação de Flávio Bolsonaro no Conselho de Ética após divulgação de áudio

Filho do presidente quer que senador seja punido por quebra de decoro parlamentar. "Não é crime nenhum", diz Kajuru sobre a gravação

O senador Jorge Kajuru (Cidadania-GO) ironizou a representação feita pelo senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) no Conselho de Ética por conta da divulgação da conversa que teve com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sobre a CPI da Covid-19. O comentário foi feito ao UOL, nesta quarta-feira (14).

Kajuru divulgou no domingo (11) uma conversa que teve com o presidente sobre a comissão, que tem como objetivo investigar a atuação do governo diante da pandemia que já deixou mais de 340 mil mortes. O senador foi um dos que acionou o STF pela instalação da comissão.

Para o filho do presidente, Kajuru deve ser punido por quebra de decoro parlamentar. O presidente não sabia que estava sendo gravado e foi pego de surpresa com a divulgação do áudio feito pelo senador.

“Tenho que rir. Sobre Flávio Bolsonaro falar em honra, logo ele que não tem, eu nunca fui denunciado por corrupção na minha vida. Polícia Federal nunca foi na minha casa. Nunca serei manchete do Jornal Nacional por corrupção. Quando eu for no Conselho de Ética, ele vai para explicar corrupção e eu vou para falar de gravação, que não é crime nenhum. Advogados dizem que não cometi crime. Eu estou muito tranquilo. Presidente admitiu ontem e agora cedo”, afirmou Kajuru.

Flávio Bolsonaro protocolou na última segunda-feira (12) uma representação no Conselho de Ética e Decoro Parlamentar do Senado Federal contra Kajuru. “Representei no Conselho de Ética do Senado contra o senador por sua postura imoral, não só de gravar uma conversa particular com o presidente da República, bem como de dar publicidade a isso, tudo sem o consentimento ou a autorização de Bolsonaro”, escreveu o parlamentar.

Avatar de Luisa Fragão

Luisa Fragão

Jornalista.