sábado, 24 out 2020
Publicidade

Termômetro da direita na mídia, Estadão amplia críticas a governo Bolsonaro

O jornal Estado de S.Paulo tem aumentado o tom com relação ao governo de Jair Bolsonaro. Neste domingo (1), o veículo conservador disse que a proclamada “nova política” de Bolsonaro, que angariou milhões de eleitores para que ele chegasse ao poder, não passa de “amadorismo“. Em outro texto, a jornalista Vera Magalhães afirmou em artigo que ouviu de um ministro que haverá “demissão coletiva” caso Jair Bolsonaro insista no “caminho do arbítrio”.

Nesta terça-feira (3), o editorial do Estadão voltou a atacar o governo de Bolsonaro. Desta vez, o foco das críticas foram as ameaças do “guia espiritual e modelo ideológico”, Donald Trump, que mencionou a criação de barreiras à importação de aço e alumínio. A postura de Bolsonaro com relação ao episódio irritou o jornal conservador.

“Mais uma vez o presidente brasileiro misturou o relacionamento pessoal – real ou imaginário – com assuntos de governo e projetos políticos. O presidente Donald Trump está obviamente movendo peças num jogo de seu interesse – e, até certo ponto, de interesse de segmentos da produção americana”, diz o texto.

No final, o texto chama o presidente brasileiro de “passivo” e despreparado. “É difícil dizer se a passividade de Bolsonaro diante de uma evidente agressão reflete seu despreparo em relação a questões de Estado, uma espantosa ingenuidade ou incompreensão do que se passa no cenário internacional. Ou será uma mistura de tudo isso?”, finaliza.

Redação
Redação
Direto da Redação da Revista Fórum.