Fórumcast #19
25 de abril de 2019, 10h51

The Intercept: Guerrilheiros virtuais invadem e implodem no Whatsapp grupos de fake news pró Bolsonaro

Uma das táticas da guerrilha virtual, revelada por um dos grupos descobertos pela reportagem, é fingir que os membros são de extrema-direita, lançando no grupo argumentos ainda mais radicais do que habitualmente circulam

Bolsonaro e a fake news do Kit Gay, que foi levada ao ar no Jornal Nacional (Arquivo)

Reportagem de Amanda Audi nesta quinta-feira (25) no The Intercept Brasil revela que eleitores e grupos mobilizados nas redes sociais estão invadindo e implodindo grupos de Whatsapp que distribuem fake news pró Jair Bolsonaro.

Segundo a reportagem, há iniciativas individuais, que começaram a partir do interesse de jovens em tirar os pais da toxicidade das redes bolsonaristas, e de coletivos que já desenvolveram técnicas para ganhar a confiança dos frequentadores, fazer com que um dos membros torne-se administrador e, por fim, implodir o grupo.

Táticas de guerrilha
Uma das táticas da guerrilha virtual, revelada por um dos grupos descobertos pela reportagem, é fingir que os membros são de extrema-direita, lançando no grupo argumentos ainda mais radicais do que habitualmente circulam.

Um dos participantes, um bacharel em filosofia que mora em São Paulo e pediu para não ser identificado para não ser descoberto nos grupos, posta coisas como: “Bolsonaro não é só um político, ele é Melquisedeque, a presença do Senhor na Terra, o patriarca de uma nova geração de governantes”. Ou: “A Amazônia está pronta para receber o povo de Israel, meu pastor disse que aqui será a nova Jerusalém”.

Veja também:  Com Bolsonaro e Paulo Guedes, retração na economia leva o país à recessão técnica

Ouve, como resposta, habitualmente, que está louco, que Bolsonaro não é Deus e nem poderia entregar a Amazônia a quem quer que fosse. Alguns ficam tão revoltados que saem do grupo. Segundo ele, o trabalho do grupo chega a afugentar uma média de 100 pessoas por semana de grupos que espalham fake news pró-Bolsonaro.

Uma outra técnica desenvolvida é ganhar a confiança dos participantes, conquistar o posto de administrador e deletar o grupo. Ao receber o convite para entrar num grupo bolsonarista, um dos integrantes da equipe entra e começa a conversar, de modo amistoso, com os demais participantes.

Com o passar dos dias, pessoa constrói uma imagem confiável no grupo. Nesse meio tempo, outros integrantes da trupe são chamados a entrar no grupo.

Assim que se torna administrador, o infiltrado avisa os companheiros. É a senha para o grupo ser invadido e ter início um bombardeio de figurinhas (stickers) – geralmente depreciativas a Bolsonaro.

Em seguida, o administrador infiltrado deleta todos os integrantes, matando o grupo.

O “resultado”, claro, é muito pequeno se considerado o imenso universo de grupos do WhatsApp. “Mas é um trabalho que alguém precisa fazer. A gente sabe que é enxugar gelo. Mas algumas pessoas já deixaram de ser afetadas pela toxicidade desses grupos”, diz o auxiliar administrativo Fábio Alexandre, que vive em Brasília.

Veja também:  Para blindar Eduardo Bolsonaro, Rodrigo Maia não vai pautar projeto sobre nepotismo

Leia a reportagem na íntegra no The Intercept Brasil


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum