Colunistas

29 de abril de 2017, 12h02

Um dia depois da Greve: a outra Casa Monstro: ensaio de “vampirismo”

“Acho que acordamos o vampiro (que nem estava aposentado na outra Casa Monstro): lá no Jaburu se ouviu: nós venceremos você e tudo o que você representa!”. Leia mais na coluna da semana de Leandro Seawright

Por Leandro Seawright*

A outra Casa Monstro não é ficção. Longe do Jaburu, Palácio, ela é bem “bonita” (tem espaço para muita gente morar). Mas, provoca curiosidade, espanto. Assombro.

Nela (na outra Casa Monstro), há aposentos.

Quando, pois, o vampiro que nela habita entra em um dos quartos da outra Casa Monstro – que é a sua própria, ele se “aposenta” obscuramente (combinamos que “aposentar”, aqui, refere-se a entrar num aposento): aposenta porque já é um aposentado mesmo; precocemente aposentado, diga-se: não gosta da luz do dia, da hora do trabalho: tem um Congresso que vela por ele, eles, ele, eles, os empresários, os burgueses, os “patos” e os “lúdicos”.

Entrou em seus aposentos muito cedo na vida, e, insatisfeito, agora sai de seus aposentos – como um assombro – apenas para impedir que pessoas se aposentem; é uma obsessão; não suporta, por isso, que trabalhadores descansem e tenham o “privilégio” do digno envelhecimento. Ele acha que professor ganha bem, que não se deve também “pensar com qualidade” (…em crise alguma…): deve-se exaustivamente “trabalhar”, “tra…”, “ba…”, “lhar…”. Dizem, mas, decerto deve (?) ser “mentira” – dessas “de Cunha”, que tem “pactos escusos”: dizem mesmo (“caluniosamente”, talvez.?.) que é pai de Daniel Mastral (na Eleição de 2010, por exemplo, os evangélicos mais conservadores acusavam Daniel Mastral de ex/satanista). Por certo, calúnia.

O vampiro que habita na outra Casa Monstro é objeto de “rejeição nacional”; sua aprovação é baixíssima porque “pessoas más”, que nem são tão petistas assim, acusam-no: ele “assusta as pessoas”. Agoniza (mas come caviar): emite sons estranhos como que saídos da garganta. Nos seus aposentos ele se dopa (apenas metaforicamente). Ele próprio – que não é inocente (distante disso) – se permite “usar”, e usa, para “sugar o sangue” de pessoas que tem péssimos costumes (porque o vampiro é um guardião da nação), tais como o hábito, que já prenunciei acima, do “injusto” repouso na velhice com um pouquinho (só um pouquinho…) de dinheiro para “futilidades” como comida, remédios e um pãozinho francês – porque às vezes dá vontade de um pãozinho. O vampiro odeia que as pessoas se aposentem como ele: reputa seus aposentos por intocáveis: não deixa ninguém chegar perto da outra Casa Monstro envolta em Pinheiros.

O vampiro, com contornos faciais propícios ao apelido, agoniza sim, porém é defendido por um “esquadrão irritadiço”, uma “hoste truculenta” e “assassina” (mas isso é mentira) que é filhote da “gloriosa Revolução de março de 1964” (que ironia!), que impede o acesso das pessoas à sua calçada (que é, por lógico, pública), para quaisquer tipos de manifestações “malévolas” na contramão dos seus hábitos “macabros”. Falam que o tal vampiro não gosta de que se aproximem dos seus “aposentos”, dos seus “privilégios”: lugar de preto e de pobre é na periferia. Seu “esquadrão legal”, meio cinza (como o cinza “Doriano” do “Aplicativo” pra ir trabalhar…), lembra-me muito uma “matilha”: “cães bravos”, “irritados”, “nervosos” e “doidos por televisão”, “jornais” (afinal, como nos filmes ou séries tolas, cachorros gostam de “jornais”): gostam de dizer que aquela “gente bandida”, que quer que “o aposentado” não articule para impedir “aposentadorias de outros”, faz parte de um “bando”, um “banditismo” – que são “bandidos” propriamente ditos. Então, criminalizam e “o” Globo (do mundo que gira), infame…, transmite, omite, (d)emite: vocifera contra os tais que querem se aposentar. Porque só o safadinho do vampirinho é que pode, que pode, que pode se aposentar!

Se estivesse em casa, porém, o vampiro estaria no aposento (aposentado, portanto): veria tudo de seu quarto com uma jovenzinha, uma jovem, uma jovem (des)esperança de que tudo dê errado. O vampiro quer sangue: dizem que de trabalhadores (porque às vezes é bem vermelhinho). E alegam que é porque ele “deve” para aqueles que o colocaram lá, isto é, para as pessoas que seduzem outras pessoas por meio de “isca exótica”: um pato altamente atrativo – “místico”: o pato tem tal poder de persuasão que leva pessoas de cérebros “dilatados”, “avantajados”, para um lugar de diversão – um playground – onde se dança ao redor da ave de vento, da ave inflável. E o castigo é esse: se você não adorar o grande deus pato, se quiser se aposentar no sentido de chegar perto dos aposentos do aposentado: bomba! Bomba de efeito (i)moral, lágrimas, sangue na face de manifestantes: gente que não coloca cordão de isolamento e provoca com grades – fazem “presos políticos”; o deus pato é vingativo de fato. Eu estava lá. Vi tudinho!.. E ele quer que os trabalhadores morram trabalhando: desrespeita mulheres, minorias, negros e tudo que não se pareça com pato: “quá, quá, quá”.

No entanto, percebi que o povo que quer se aposentar propõe mais que a maior Greve Geral da história republicana brasileira; o movimento é maior: a) vencer as “reformas” que nada têm de “modernização” (b) antecipar eleições gerais (quem sabe?) (c) mudar o sistema político atrasado do Brasil (d) restabelecer a ordem democrática no país.

O que vi?

Em cada bomba nascia um Rev. Martin Luther King Jr, um Dom Paulo Evaristo Arns, um Malcom X, um Mandela, um Lamarca, uma Pagu, uma Nise da Silveira – intelectuais, estudantes, trabalhadores, jovens, idosos… éramos um só: uma ontologia. Estamos todos juntos.

Acho que acordamos o vampiro (que nem estava aposentado na outra Casa Monstro): lá no Jaburu se ouviu: nós venceremos você e tudo o que você representa!

O Largo da Batata que ferve e a Batata que assa (a sua)!

Viva os Centenário da Primeira Greve Geral!

E… para não embrutecer o coração: cheguei em casa e lembrei dos versos que o reverso trouxe à memória:

“Não sou nada. Nunca serei nada.
Não posso querer ser nada.
À parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo”.
Fernando Pessoa.

Curta a minha página no Facebook se quiser discutir este texto.

Siga-me no Twitter: @LSeawright

leando_Seawright_-Alonso-1-150x150* Leandro Seawright é historiador e professor universitário. Pós-doutorando e doutor em História Social pela FFLCH/USP. Foi pesquisador da Comissão Nacional da Verdade  (CNV). É autor de diversos artigos acadêmicos e livros, entre eles “Ritos da Oralidade: a tradição messiânica de protestantes no Regime Militar Brasileiro”.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum