União Brasil desiste de Mandetta e sonha com vice de Moro

Coligação com o partido oriundo da fusão de DEM e PSL pode garantir ao ex-juiz Sergio Moro o maior tempo de TV em 2022

Publicidade

O União Brasil, partido originado pela fusão entre DEM e PSL, decidiu nesta terça-feira (24) abandonar a aposta na candidatura do ex-ministro Henrique Mandetta (DEM) e focar na aproximação com o ex-ministro e ex-juiz Sergio Moro (Podemos). O partido acredita que somente conseguiria Moro mobilizar uma terceira via em 2022.

A avaliação de dirigentes do novo partido é de que a candidatura de Mandetta, que ocupou o Ministério da Saúde de Bolsonaro até abril de 2020, fica inviabilizada pela empreitada de Moro. O ex-juiz saiu do governo menos de dez dias depois do ex-titular da Saúde.

Publicidade

Mandetta concorreria a uma vaga na Câmara dos Deputados pelo Mato Grosso do Sul.

O União Brasil tem mantido conversas com o Podemos para ocupar a vice de Moro. A coalizão poderia garantir a Moro o maior tempo de televisão nas eleições de 2022 e o maior percentual do fundo partidário.

Publicidade
Publicidade

Pesquisas apontam que Moro assumiu a terceira colocação na corrida presidencial, se colocando como principal nome da pretensa “terceira via”.

Em ritmo de campanha, Moro tem intensificado os ataques contra o ex-presidente Lula. Em 2018, o ex-juiz prendeu o ex-presidente, impedindo-o de concorrer e facilitando o caminho para Bolsonaro.

Publicidade
Publicidade

Com informações de Mariana Haubert, do Poder 360

Avatar de Lucas Rocha

Lucas Rocha

Lucas Rocha é formado em jornalismo pela Escola de Comunicação da UFRJ e cursa mestrado em Políticas Públicas na FLACSO Brasil. Carioca, apaixonado por carnaval e pela América Latina, é repórter da sucursal do Rio de Janeiro da Revista Fórum e apresentador do programa Fórum Global

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR