Abraham Weintraub anuncia saída do Ministério da Educação

O ministro publicou um vídeo ao lado de Bolsonaro afirmando que vai assumir posto no Banco Mundial

O ministro da Educação, Abraham Weintraub divulgou um vídeo nesta quinta-feira (18) anunciando que vai deixar o Ministério da Educação para assumir um posto no Banco Mundial.

“Dessa vez é verdade, eu estou saindo do MEC”, declarou. “Eu vou começar a transição agora e, nos próximos dias eu passo o bastão pro ministro que vai ficar no meu lugar, interino ou definitivo”, completou.

Segundo Weintraub, ele recebeu um convite para ser diretor no Banco Mundial. “Tô fechando um ciclo e começando outro e, é claro, continuo apoiando o senhor”, disse.

O anúncio veio após uma semana de intensas especulações sobre a possível queda de Weintraub em razão de participação em ato no último domingo. Na ocasião, ele fez referência ao xingamento direcionado a ministros do Supremo Tribunal Federal – “vagabundos” – feito por ele durante a reunião ministerial de 22 de abril.

Por conta da declaração, o ministro virou alvo do inquérito do STF que investiga disseminação de fake news e ataques aos ministros da Corte. Além disso, ele é alvo de inquérito por racismo contra chineses.

Um dos cotados para assumir a pasta de Weintraub é o olavista Carlos Nadalim, secretário nacional de Alfabetização. A escolha seria uma forma de agradar a ala mais ideológica do governo.

Ex-coordenador pedagógico na escola Mundo do Balão Mágico, em Londrina, e responsável por ensinar 1.630 pais pela internet a alfabetizarem seus filhos, Carlos Nadalim assumiu a Secretaria de Alfabetização do MEC com o objetivo de “libertar mentes escravas das ideias de dominação socialista” e “preparar cidadãos para o mercado de trabalho”.

Defensor da educação em casa – um conceito difundido como Homeschooling, especialmente nos Estados Unidos -, Nadalim diz que a “letargia do Estado” está levando muitos pais a educar os próprios filhos.

ASSISTA:

Avatar de Redação

Redação

Direto da Redação da Revista Fórum.

Em 2021, escolha a Fórum.

Fazer jornalismo comprometido com os direitos humanos e uma perspectiva de justiça social exige apoio dos leitores. Porque se depender do mercado e da publicidade oficial de governos liberais esses projetos serão eliminados. Eles têm lado e sabem muito bem quem devem apoiar.

Por isso, neste momento que você está renovando suas escolhas e está pensando em qual site apoiar, que tal escolher a Fórum?

Se fizer isso, além de garantir tranquilidade para o nosso trabalho, você terá descontos de no mínimo 50% nos cursos que já temos em nossa plataforma do Fórum Educação.

Renato Rovai
Editor da Revista Fórum

APOIAR