Marcelo Crivella é preso no Rio

Crivella é investigado em um inquérito que ficou conhecido como o “QG da Propina”, esquema de corrupção que acontecia dentro da prefeitura

Prefeito do Rio de Janeiro e bispo licenciado da Igreja Universal do Reino de Deus (Iurd), Marcelo Crivella (Republicanos) foi preso na manhã desta terça-feira (23) em uma ação da Polícia Civil e do Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) em sua casa.

Leia também
Preso, Crivela diz que foi o prefeito que mais atuou contra a corrupção: “Perseguição”
Crivella é vítima da própria profecia contra Eduardo Paes: “Será preso”
Prisão de Crivella bomba nas redes: “É cristão, conservador e patriota”

Crivella é investigado em um inquérito que ficou conhecido como o “QG da Propina” – um esquema de corrupção que acontecia dentro da prefeitura.

Além de Crivella, foram presos o empresário Rafael Alves e o delegado Fernando Moraes. O ex-senador Eduardo Lopes (Republicanos) também é alvo da operação, mas não foi encontrado em sua casa.

Segundo as investigações, um desdobramento da operação Hades – que revelou o “QG da Propina” na prefeitura do Rio -, empresas que tinham interesse em fechar contratos ou tinham dinheiro para receber do município tinha que pagar propinas em cheques a Rafael Alves, irmão de Marcelo Alves, que presidia a Riotur. Em troca, Rafael facilitaria a assinatura dos contratos e o pagamento das dívidas.

Ligação
Um vídeo gravado na primeira fase da operação Hades, em ação na casa de Rafael Alves, um delegado da Polícia Civil atendeu um telefone de Crivella para o celular do então presidente da Riotur.

O delegado atendeu a chamada e o prefeito Marcelo Crivella disse: “Alô, bom dia Rafael. Está tendo uma busca e apreensão na Riotur? Você está sabendo?”.

Depois de 30 segundo, ao perceber que não era Rafael, Crivella desligou o telefone.

Publicidade

No relatório, o delegado diz que “a forma de tratamento, o horário da chamada e o assunto em questão demonstram claramente a relação de proximidade e confiança entre o prefeito Crivella e o investigado Rafael Alves”.

Avatar de Plinio Teodoro

Plinio Teodoro

Jornalista, editor de Política da Fórum, especialista em comunicação e relações humanas.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR