Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
16 de fevereiro de 2019, 10h32

USP não aceita matrículas de estudantes de colégios militares entre cotistas; Comando do Exército reage

Enquanto o Comando Militar vê retaliação ao governo Bolsonaro, a universidade alega que as 12 escolas mantidas pelo Exército não se enquadram no sistema de cotas

Foto: Francisco Emolo/USP Imagens

O Comando do Exército não gostou nada da decisão tomada pela Universidade de São Paulo (USP). A instituição determinou o cancelamento de matrículas de estudantes de colégios militares aprovados no vestibular por meio do Sistema de Seleção Unificado (Sisu). A corporação vê na medida uma retaliação ao governo de Jair Bolsonaro, de acordo com informações de Tânia Monteiro, de O Estado de S.Paulo.

A justificativa da Pró-Reitoria de Graduação da universidade é que as 12 escolas mantidas pelo Exército não se enquadrariam no sistema de cotas por serem mantidas por contribuições e pagamentos mensais de pais de alunos.

Em uma reunião fechada no campus, um representante do Comando do Sudeste tentou convencer representantes da universidade a reverter o quadro, que atinge mais de 20 alunos, nas contas do Exército, ou dez, na estimativa da USP. Ele deixou o encontro com a promessa de que o caso seria analisado, sem previsão de prazo.

O ato foi interpretado pela corporação como um “ataque político” para atingir o governo Jair Bolsonaro.

Após a decisão da USP, o Comando Militar acionou o governador de São Paulo, João Doria, e o ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez.

Aviso

Na quinta-feira (14), a universidade enviou e-mail aos estudantes para avisá-los do cancelamento da matrícula. A universidade informou a um aluno aprovado no curso de Medicina que cancelou sua matrícula para não “burlar” a “finalidade das políticas de inclusão”.

Por intermédio de sua assessoria, a USP afirmou que os casos dos “dez alunos” de colégios militares com matrículas canceladas estão sendo analisados pela Comissão de Acompanhamento do Vestibular. A universidade destacou que não foi notificada pelo Ministério Público Federal.

Nossa sucursal em Brasília já está em ação. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Saiba mais.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum