“Vai para a puta que pariu”, diz Bolsonaro à imprensa sobre leite condensado; veja vídeo

O presidente reclamou da divulgação do item que custou mais de R$ 15 milhões no carrinho de compras do governo

O presidente Jair Bolsonaro se irritou nesta quarta-feira (27) ao comentar sobre os dados que apontam um gasto de R$ 15 milhões em leite condensado no ano de 2020 por parte do Executivo Federal.

“Quando eu vejo a imprensa me atacar, dizendo que eu comprei 2,5 milhões de latas de leite condensado… Vai para a puta que pariu, porra! É pra enfiar no rabo de vocês, imprensa”, disse o presidente em evento com aliados em uma churrascaria de Brasília. Em vídeo, é possível ver o ministro da Relações Exteriores, Ernesto Araújo, caindo na gargalhada com a reação do presidente.

O deputado federal Paulo Pimentar (PT-RS), reagiu ao vídeo: “Escroto, covarde, bandido miliciano, acha que com ofensas vai intimidar a imprensa e a todos nós que investigamos e denunciamos as safadezas dele e da família. Bolsonaro: futuro de vocês é Bangu 8!”.

Parlamentares de oposição articulam a instauração de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar o carrinho de compras do Governo Federal, que foi de R$ 1,8 bilhão em 2020, segundo levantamento do (M)Dados. Pimenta foi um dos que defendeu a “CPI da Mamata”. Marcelo Freixo (PSOL-RJ) e Helder Salomão (PT-ES) estão entre os que formalizaram pedidos de CPI.

Além dos custos do leite condensado, foram R$ 16,5 milhões com batata frita embalada, R$ 13,4 milhões com barras de cereais, R$ 21,4 milhões em iogurte natural, R$ 8 milhões em bombons, R$ 2 milhões em chicletes, entre outros.

ASSISTA:

Avatar de Lucas Rocha

Lucas Rocha

Lucas Rocha é formado em jornalismo pela Escola de Comunicação da UFRJ e cursa mestrado em Políticas Públicas na FLACSO Brasil. Carioca, apaixonado por carnaval e pela América Latina, é repórter da sucursal do Rio de Janeiro da Revista Fórum e apresentador do programa Fórum Global

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR