Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
20 de fevereiro de 2019, 23h44

Vanguarda compartilhada: uma ideia em movimento

“O desafio é superar nossas reservas e construir um debate franco e aberto sobre os termos da resistência a Bolsonaro”, dizem o Secretário Nacional de Organização do PSOL e o Secretário Nacional de Movimentos Populares do PT

Foto: Reprodução

Por Fábio Nogueira* e Ivan Alex**

Em “Vanguarda e Crise Atual”, de 1990, a intelectual marxista Marta Harnecker utiliza o método de entrevista com dirigentes políticos de esquerda para estabelecer a ideia de vanguarda compartilhada ou coletiva como a unidade de todos os agentes de transformação social. Harnecker propõe, a partir da teoria política marxista, um diálogo entre os que diferenciam vanguarda de conjuntura e vanguarda histórica a partir do diálogo com dirigentes revolucionários latino-americanos. Vanguarda é definida por Harnecker como “força social dirigente” dos processos políticos de transformação social. Logo, vanguarda não se confunde com movimentos sem estrutura que se caracterizariam pela ausência de condução política.

A obra de Harnecker tem como pano de fundo a articulação das cinco organizações (1) que deram origem à Frente Farabundo Martí de Libertação Nacional (FMLN), que, em 1989, chegou a ocupar a capital de El Salvador, mas foi derrotada pela ingerência do presidente dos Estados Unidos, Ronald Reagan. A conclusão de Harnecker, a partir do caso salvadorenho e de outros na América Latina, é que as organizações de vanguarda desenvolvem características próprias a partir da origem social dos seus militantes e do trabalho político que desenvolvem.

Há organizações que construíram seu trabalho entre camponeses, outras entre estudantes e setores de classe média e outras entre os trabalhadores das fábricas e nas cidades. Representam individualmente forças sociais relevantes, mas que não conseguem todos a atividade política nacional e setores sociais. Esta afirmação deriva da lógica materialista e rompe com uma visão idealista de vanguarda e está voltada para as conduções reais do processo político ao invés do somatório de siglas de organizações autoproclamadas revolucionárias.

Quando distingue vanguarda compartilhada e frente política, fica mais nítida a proeminência da vanguarda na condução do processo de transformação global. A frente política é, portanto, algo mais amplo – a exemplo de uma frente democrática e de resistência – em que a vanguarda define a condução real do processo de forma compartilhada – não obstante os demais setores que a compõe não terem a mesma visão de conjunto. Vanguarda compartilhada exige, portanto, mais do que criar frentes – fundamentais e necessárias –, mas estabelecer programas compartilhados de ação de vanguarda, ou seja, de profunda transformação da ordem social e política.

Outra contribuição importante de Harnecker é que vanguarda compartilhada não é sinônimo de fusão entre organizações. Ao contrário, as características que singularizam cada organização podem ser preservadas em nome do acúmulo do trabalho político. O que dá a elas sentido de transformação comum é a articulação de sujeitos sociais reais em torno de um programa político que estabeleça direcionamento e intencionalidade às suas ações.

Na atual conjuntura do país, vanguarda compartilhada pode ser uma ideia-força que contribua para um maior estreitamento às organizações de vanguarda, partidárias ou não. A unidade política não prescinde da pluralidade da vanguarda e deve ser construída a partir dela. O nosso desafio é, a partir da realidade de cada grupo e organização, superar nossas reservas e construir um debate franco e aberto sobre os termos da resistência a Bolsonaro, recuperando nossas formulações sobre socialismo, democracia e luta popular.

(1) Forças Populares de Libertação Farabundo Martí – FPL, Exército Revolucionário do Povo – ERP, Resistência Nacional – RN, Partido Comunista Salvadorenho – PCS e Partido Revolucionário dos Trabalhadores Centroamericanos – PRTC

*Fábio Nogueira é Secretário Nacional de Organização do PSOL e **Ivan Alex é Secretário Nacional de Movimentos Populares do PT

 


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum