Vaza Jato mostrou que Gebran Neto teve “encontros fortuitos” com Dallagnol

Mensagens divulgadas em julho confirmam que o desembargador do TRF4 colaborou com o procurador na condenação de réu da Lava Jato

Em julho deste ano, Intercept Brasil e Veja denunciaram, por meio de uma série de reportagens que ficou conhecida como “Vaza Jato”, que o relator dos casos da operação no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), o desembargador João Pedro Gebran Neto, teve diversos diálogos impróprios com procuradores do Ministério Público Federal (MPF). Em uma das conversas, o chefe da força-tarefa em Curitiba, Deltan Dallagnol, cita “encontros fortuitos” com Gebran para negociar a condenação de réus.

“Falei com ele umas duas vezes, em encontros fortuitos, e ele mostrou preocupação em relação à prova de autoria sobre Assad…”, disse Dallagnol ao procurador Carlos Augusto da Silva Cazarré, da força-tarefa da Procuradoria Regional da República da 4ª Região, que atua junto ao TRF4. Na conversa, Dallagnol cita Adir Assad, um dos operadores de propinas da Petrobras e de governos estaduais. Assad foi condenado pelo então juiz Sergio Moro a nove anos e dez meses de prisão.

Dalla­gnol termina o diálogo pedindo ao colega que não comente com Gebran o episódio do encontro fortuito “para evitar ruído”. De acordo com ele, em tais “encontros”, o desembargador teria demonstrado dúvidas com relação a prova de contra Assad e ameaçou absolvê-lo, o que preocupou a força-tarefa da Lava Jato.

Apesar de todos os indícios presentes nas mensagens da Vaza Jato, nesta quarta-feira (27), conforme previsto, Gebran negou que Moro tenha agido com parcialidade e de forma política na condução do processo contra o ex-presidente Lula no caso do Sítio de Atibaia.

O magistrado também negou que o fato da juíza Gabriela Hardt ter copiado e colado parte da decisão de Moro sobre o Triplex do Guarujá na sentença em que condenou Lula no caso do Sítio de Atibaia tenha sido irregular.

 

 

Avatar de Redação

Redação

Direto da Redação da Revista Fórum.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR