Fórumcast, o podcast da Fórum
10 de setembro de 2019, 17h55

Braço-direito de Cunha diz que ele foi preso pela Lava Jato por recusar-se a mentir em delação

De acordo com reportagem da Vaza Jato, procuradores rejeitaram delação de Cunha por verem "mais prejuízos do que benefícios"

Foto: Arquivo/Câmara dos Deputados

Carlos Marun (MDB-MS), ministro-chefe da Secretaria de Governo de Michel Temer, comentou as últimas revelações da Vaza Jato destacando que a prisão do ex-presidente da Câmara dos Deputados, Edurado Cunha (MDB-RJ), só aconteceu porque ele não quis mentir em delação premiada. Em revelações anteriores, o ex-juiz federal Sérgio Moro aparece descartando delação do ex-deputado e apreensão de celular dele.

“Nada mais interessava. Cunha se recusou a mentir e por isto está preso. Se ele tivesse concordado em me caluniar, estaria solto e eu, com a minha vida destruída. Eu, minha família e meus verdadeiros amigos estaríamos sofrendo em função de uma mentira exigida por homens e mulheres que deveriam zelar pelo respeito a Lei”, disse Marun ao jornalista Eduardo Militão, do Uol

O ex-ministro destaca que a Lava Jato queria que Cunha o citasse. “Apresentou sua relação prévia de delatados e recebeu como resposta de elementos do MPF que só sairia da cadeia se dissesse alguma coisa que me comprometesse”, disse.

Em mensagens reveladas nesta terça-feira, o procurador Orlando Martello aparece desconsiderando a delação de Cunha. “Evidente também que alguma coisa o acordo do Cunha sempre corroborá ou ajudará, mas no geral vemos mais prejuízos do que benefícios. Para nós, as teses dele mais atrapalham os processos e investigações em andamento do que ajudam”, disse.

O ex-juiz federal Sérgio Moro era um dos defensores da adoção de um postura “diferenciada” com relação a Cunha. Em mensagens anteriores, ele orienta investigadores a não apreenderem o celular do deputado na operação que o levou à cadeia.

O ex-presidente Lula criticou duramente a seletividade, destacando que a Justiça do Paraná chegou a apreender o iPad de seu neto Arthur, que faleceu em março com 8 anos, enquanto recusou o celular do ex-presidente da Câmara.

 


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum