Cristiano Zanin diz que atuação dos EUA na Lava Jato não era teoria da conspiração

O advogado do ex-presidente Lula comentou as novas revelações da Vaza Jato, sobre a relação promíscua entre o FBI e o Ministério Público Federal no Paraná

Cristiano Zanin, um dos advogados de defesa do ex-presidente Lula, usou o Twitter para comentar a nova reportagem da Vaza Jato, divulgada nesta quarta (1º), e produzida pelo The Intercept, em parceria com a Agência Pública.

“Essa reportagem de hoje da Vaza Jato mostra que a ‘teoria da conspiração’ que apresentamos desde 2016 sobre a cooperação ‘informal’ dos EUA para construir casos no Brasil, usar o FCPA para ‘entrar’ em empresas brasileiras, etc estava absolutamente correta”, escreveu Zanin.

A reportagem mostra conversas obtidas pela Vaza Jato, que revelam que a agente especial do FBI, bureau norte-americano de investigação, Leslie Rodrigues Backschies foi designada para acompanhar a Lava Jato que, sob o comando de Deltan Dallagnol, deu à araponga dos Estados Unidos “total conhecimento” das investigações.

Segundo a reportagem, uma das consequências da relação promíscua entre o FBI e o Ministério Público Federal no Paraná foi acelerar a destruição da Odebrecht, uma das principais construtoras do país.

Extradição

Outra revelação é que o coordenador da força-tarefa da Lava Jato, Deltan Dallagnol, admitiu que a Polícia Federal preferia tratar diretamente com os norte-americanos uma solicitação de extradição de um suspeito da operação, ao invés de seguir as vias legais, ou seja, sem passar pela Procuradoria-Geral da República ou pelo Ministério da Justiça.

Avatar de Redação

Redação

Direto da Redação da Revista Fórum.