Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
18 de agosto de 2019, 13h03

Dallagnol faz “pronunciamento” no Twitter para dizer que fraudar sigilo da Receita Federal é legal

Ao tentar se explicar, no entanto, coordenador da Lava Jato reconheceu a autenticidade dos diálogos da Vaza Jato e entrou em contradição

Foto: Reprodução/YouTube

O coordenador da força-tarefa da operação Lava Jato, procurador Deltan Dallagnol, usou sua conta do Twitter, no início da tarde deste domingo (18), para fazer um “pronunciamento” sobre o novo lote de conversas divulgado na série Vaza Jato pelo The Intercept Brasil e Folha de S. Paulo.

As conversas mostram que, em inúmeras ocasiões, o núcleo da Lava Jato procurou saber, ao arrepio da lei, da vida fiscal de pessoas próximas a suspeitos investigados na operação, muitas vezes sem que houvesse qualquer indício de que essas pessoas tivessem cometido ilegalidades. Os dados eram solicitados de maneira “informal” – isto é, sem autorização judicial – a Roberto Leonel, auditor fiscal da Receita até o ano de 2018. Em 2019, no governo de Jair Bolsonaro, Leonel se tornou presidente do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf).

O Facebook silenciou a Fórum. Censura? Clique aqui e nos ajude a lutar contra isso

“Mais acusações falsas contra a Lava Jato. A Receita passou informações para o MP na Lava Jato em 3 situações, sempre com amparo na lei”, escreveu Dallagnol. Desta vez, o procurador não disse que não reconhece a autenticidade dos diálogos, como fez com outras matérias, credibilizando, assim, as conversas divulgadas.

Um dos principais focos do pedido de dados sigilosos era o ex-presidente Lula. No início de 2016, durante as investigações do caso do Sítio de Atibaia, por exemplo, os procuradores acionaram o então auditor da Receita para que ele repassasse dados sigilosos do caseiro do sítio, conhecido como Maradona, dos antigos donos da propriedade e até mesmo dados sobre compras da ex-primeira-dama Marisa Letícia.

“Vcs checaram o IR de Maradona? Não me surpreenderia se ele fosse funcionário fantasma de algum órgão público (comissionado)”, disse Deltan Dallagnol em uma ocasião. “Pede pro Roberto Leonel dar uma olhada informal”, completou o coordenador da Lava Jato.

Leia também
CPI da Lava Jato pode desbaratar organização criminosa de Moro e Dallagnol

A atitude dos procuradores é ilegal, visto que o pedido de informações da Receita por parte do MPF requer, no mínimo, uma formalização, e não um pedido “informal” através de mensagem privada no Telegram. Na maior parte dos casos, o acesso aos dados requer autorização da Justiça de quebra de sigilo. Nenhum dos dois procedimentos foram adotados.

Dallagnol, no entanto, insistiu que o repasse de informações da Receita ao MPF é amparado por lei.  “A Receita Federal tem liberdade de apurar ilícitos a partir de notícias que recebe e de comunicá-los ao MP”, postou. As conversas mostram, no entanto, que a solicitação não foi feita de maneira formal e nem mesmo repassadas ao MPF, mas sim ao próprio procurador.

Fica evidente também, nos diálogos que vieram à tona, que o então auditor Roberto Leonel, ao repassar os dados da Receita para a Lava Jato, sabia que estava agindo de maneira ilegal. Em uma das mensagens enviadas a Dallagnol, Leonel revela ter sido questionado por seu superior sobre o repasse de informações sigilosas. “Ele quis saber pq fiz etc e se tinha passado está inf a vcs … Disse q NUNCA passei pois não tem origem ilícita suspeita !!! Por favor delete este assunto por enquanto”.

 

 

 

 


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum