Ouça o Fórumcast, o podcast da Fórum
08 de agosto de 2019, 07h05

“Lava Jato saiu vitoriosa desta eleição”, declarou procurador em 7 de outubro de 2018

"Da pra sonhar com impeachment do gm [Gilmar Mendes]", escreveu Diogo Castor, em meio ao entusiasmo do chefe, Deltan Dallagnol: "Gente vamos receber vários casos legais"

Os ex-procuradores da Lava Jato, Diogo Castor e Luiz Francisco de Souza (Reprodução/Twitter)

Procuradores da Lava Jato não esconderam a euforia com o resultado do primeiro turno das eleições 2018 e viram na eleição de novos senadores a possibilidade de impeachment do que consideram sem principal algoz: o ministro do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes.

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo

“Lava Jato saiu vitoriosa desta eleição”, publicou no grupo da Lava Jato o procurador Diogo Castor às 20h45 do dia 7 de outubro, em meio à divulgação do resultado das eleições. “Da pra sonhar com impeachment do gm [Gilmar Mendes]”, escreveu menos de 3 minutos depois. As informações são da reportagem publicada nesta quinta-feira (8) pelo The Intercept, em parceria com o portal Uol.

“Sonhar sempre pode, Diogo. Mas não tem chance de se concretizar”, respondeu a procuradora Laura Tessler, em meio ao entusiasmo do chefe, Deltan Dallagnol: “Gente vamos receber vários casos legais”.

Na madrugada
O assunto voltou à tona durante a madrugada do dia 8, quando o procurador Paulo Roberto Galvão começou a propor estratégias para afastar o ministro do STF.

“Olha aí. Agora sim, pela primeira vez é possível sim de se pensar em costurar um impeachment de Gilmar. Mas algo pensado e conversado e não na louca sem saber onde vai dar”, escreveu às 1h07.

Dallagnol havia dito que 11 senadores eleitos eram apoiadores do Movimento Unidos Contra a Corrupção, capitaneado pela Lava Jato, e Diogo Castor fez contas.

“Precisamos de 54 senadores”, listou. “Se tem onze comprometidos com as medidas contra a corrupção”, continuou o raciocínio. “Faltam 43 de 70”.

Exposição
Mais comedido, o procurador Orlando Martello Junior avaliou que o impeachment era impossível, mas que poderiam desgastar a imagem do ministro.

“Impeachment, diria, é impossível. Talvez costurar um pedido de convocação, em q ele fique exposto, com cobranças, puxão de orelha e coisa tal, é mais factível. Os novos senadores, q não tem o rabo preso, podem ver isso como uma alavancagem”, escreveu às 8h.

Reportagem da Vaza Jato desta quarta-feira (7) mostra que Deltan Dallagnol usou o partido Rede Sustentabilidade e o senador Randolfe Rodrigues para propor uma ação contra Gilmar Mendes.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum