Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
29 de julho de 2019, 06h16

Moro divulgou delação de Palocci para uso contra o PT nas eleições de 2018, comprova Vaza Jato

"Russo comentou que embora seja difícil provar ele é o único que quebrou a omerta petista", disse o procurador Paulo Roberto Galvão, usando o apelido de Moro e a expressão da máfia italiana para se referir ao PT. Pouco mais de um mês depois, Moro aceitou ser ministro de Bolsonaro

Bolsonaro e Moro na posse presidencial (Foto: Presidência da República)

Mesmo sem acreditar em provas e duvidar da idoneidade, o ex-juiz Sergio Moro divulgou a delação do ex-ministro Antonio Palocci a seis dias do primeiro turno da eleição presidencial, em 2018, para que fosse feito uso político de adversários contra o que ele classificou para procuradores da Lava Jato como “omerta petista”.

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo

“Russo comentou que embora seja difícil provar ele é o único que quebrou a omerta petista”, disse o procurador Paulo Roberto Galvão a seus colegas num grupo de mensagens do aplicativo Telegram em 25 de setembro. Os diálogos foram divulgados nesta segunda-feira (29) pelo jornal Folha de S.Paulo, em parceria com o site The Intercept.

Russo é o apelido usado pelos procuradores da Lava Jato para se referir a Sergio Moro. Omerta é o código de honra dos mafiosos italianos, casso de corrupção que é usado frequentemente por Moro para comparar com o trabalho da Lava Jato.

Pouco mais de um mês depois, Moro abandonou a magistratura para ser ministro da Justiça e Segurança Pública no governo Jair Bolsonaro.

Uso eleitoral
Moro divulgou a delação de Palocci no dia 1º de outubro, uma semana após o comentário reproduzido por Paulo Roberto Galvão no Telegram e uma semana antes do primeiro turno das eleições presidenciais.

No dia 1º, o assunto ocupou quase nove minutos do Jornal Nacional, da TV Globo. A reportagem citou duas vezes a ligação do ex-presidente da Petrobras José Sérgio Gabrielli com a campanha do então candidato presidencial do PT, Fernando Haddad, que aparecia em segundo lugar na corrida eleitoral, bem atrás do favorito, Jair Bolsonaro (PSL).

Nos dias seguintes, a delação de Palocci foi noticiada com destaque pela Folha e por outros jornais e ganhou visibilidade na propaganda eleitoral no rádio e na televisão.

Os dois últimos programas da campanha de Geraldo Alckmin (PSDB) mencionaram as acusações do ex-ministro, dizendo que ele havia mostrado por que era preciso impedir a volta do PT ao poder.

Colhendo os frutos
Em sua defesa no Conselho Nacional de Justiça, 15 dias depois de divulgar a delação, Moro afirmou que a delação de Palocci incluía “outros depoimentos, alguns mais contundentes” e acrescentou que aguardara a apresentação das provas de Palocci à polícia para evitar que a “divulgação prematura” da delação prejudicasse as investigações.

Um mês depois de apresentar essas explicações, Moro abandonou a magistratura para ser ministro da Justiça e Segurança Pública no governo Bolsonaro. Duas semanas depois, o TRF-4 soltou Palocci, que estava preso em Curitiba havia dois anos, e determinou seu recolhimento em prisão domiciliar, monitorado por tornozeleira eletrônica.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum