domingo, 20 set 2020
Publicidade

The Independent diz que Lava Jato foi exposta como corrupta e coloca em risco governo Bolsonaro

Um artigo do jornal britânico The Independent publicado nesta segunda (1) repercute as reportagens da série Vaza Jato, com revelações sobre os bastidores da Operação Lava Jato e como o ex-juiz Sérgio Moro comandava a equipe de promotores do Ministério Público para produzir os efeitos jurídicos e políticos que ele desejava.

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo

A matéria diz que “a investigação Lava Jato foi comemorada como uma vitória na guerra contra a corrupção no Brasil (…) para muitos brasileiros, marcou o fim da impunidade da elite e era celebrada internacionalmente, e Moro era visto como herói incorruptível. No entanto, as recentes revelações feitas pelo The Intercept e o jornalista Glenn Greenwald abalaram as fundações da política brasileira, revelando uma investigação e um juiz que se engajou regularmente em práticas ilegais e antiéticas para obter resultados – muitas vezes por motivos políticos partidários. Os efeitos desestabilizadores e radicalizantes de Lava Jato na política brasileira levam a seguinte questão: será que a cura foi pior que a doença?”.

O artigo relata os efeitos políticos produzidos pela Lava Jato e como as reportagens do The Intercept mostram que os procuradores do MPF (Ministério Público Federal) buscaram produzir esses efeitos com suas ações, especialmente o impedimento político do ex-presidente Lula da Silva: “há numerosos exemplos de Moro sugerindo linhas de argumentação e investigação aos promotores; evidência de que o juiz mandava no chefe dos procuradores, Deltan Dallagnol, e o fazia afastar um promotor do caso Lula que ele considerava fraco ou impedir que Lula desse uma entrevista antes da eleição, para não ajudar seu candidato, Fernando Haddad”.

O The Independent também cita as matérias mais recentes da Vaza Jato, falando das desconfianças de alguns promotores a respeito dos métodos de Moro, e inclusivo da bomba deste domingo: “Os promotores de Lava Jato também pressionaram a principal testemunha contra Lula a mudar sua história para implicar Lula, em um caso que eles reconheceram ser fraco”.

O texto, assinado pelo correspondente Benjamin Fogel, também mostra o outro lado, dizendo que “Moro negou ter feito qualquer coordenação com os promotores, e afirmou por meio de uma série de textos no altamente duvidoso site de extrema direita ‘O Antagonista’ que as mensagens foram obtidas ilegalmente por hackers e tiradas do contexto”.

Finalmente, o The Independent considera que Moro “poderia ser forçado a renunciar”, e que também coloca em risco o governo de Jair Bolsonaro, embora considere que “o legado mais duradouro de Lava Jato pode acabar sendo a ascensão de Bolsonaro, um fanático perigoso que se beneficiou de uma unidade anticorrupção, que consome muitos estabelecimentos, e que se mostrou bem menos pura do que se pensava inicialmente. E foi Moro – uma figura de direita partidária com ilusões messiânicas, disposta a acabar com o estado de direito em busca de seus objetivos – que desempenhou o papel fundamental em colocá-lo lá”.

Redação
Redação
Direto da Redação da Revista Fórum.