Vaza Jato: Deltan e Moro fizeram lobby por novo PGR junto a Bolsonaro durante as eleições

"Ele vai ser ouvido pelo presidente na indicação", disse o procurador Vladimir Aras a Dallagnol sobre Moro no dia 11 de outubro de 2018 - 4 dias após o primeiro turno das eleições presidenciais. O chefe da Lava Jato retorna dizendo que "conseguimos articular sua indicação"

Nova reportagem da Vaza Jato, divulgada nesta sexta-feira (16) pelo portal Uol, em parceria com o site The Intercept, revela que logo após o primeiro turno das eleições presidenciais, o procurador Deltan Dallagnol e o ex-juiz Sergio Moro, atual ministro da Justiça, fizeram lobby junto a Jair Bolsonaro para indicar Vladimir Aras para o cargo de Procurador-Geral da República (PGR), com a provável saída de Raquel Dodge, agora em setembro.

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo

Os diálogos mostram que Aras procurou Dallagnol ainda durante o período eleitoral para articular encontros com pessoas que pudessem influenciar na decisão de Bolsonaro, se eleito, na designação do novo PGR.

Aras pede no dia 11 de outubro de 2018 – 4 dias após o primeiro turno das eleições presidenciais – que Dallagnol acione Moro. “Fala com Moro sobre minha candidatura a PGR”, escreveu Vladimir Aras às 13h22 de 11 de outubro de 2018 – quatro dias após o primeiro turno da eleição presidencial. “Com bolsonaro eleito, vou me candidatar”, completou às 13h23.

Na sequência, às 14h20, Aras diz já ter falado com Moro sobre a candidatura. “Ele já tem prestígio agora”, cita, antes de emendar que “ele vai ser ouvido pelo presidente na indicação”.

Dallagnol dá, então, aval de que tudo estaria encaminhado. “Conseguimos articular sua indicação”, diz às 14h27. “Temos várias pessoas para chegar lá”.

No governo
As articulações continuaram após a eleição de Bolsonaro e com Moro alçado ao Ministério da Justiça. No dia 14 de abril, às 15h33, o procurador retoma a conversa com Aras. “Peço reserva, mas Moro confirmou pra mim que Vc é o candidato que ele vai defender”.

Antes disso, no dia 19 de fevereiro, Aras pediu que Dallagnol o apresentasse a ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). “Vc poderia me apresentar a Barroso e Fachin?”, questionou. “Preciso de aliados no STF”.

Publicidade

Dallagnol aceita a missão. Edson Fachin é relator dos processos ligados à operação na Corte, enquanto Luís Roberto Barroso é tido como o principal defensor das investigações. Além dos dois, Deltan faria contato em abril com Luiz Fux, outro ministro alinhado com a Lava Jato.

O procurador da Lava Jato ainda enviou um texto elogioso a Aras para os ministros.

Publicidade

A mensagem defendia que Vladimir Aras “é um colega sério e ponderado, tem excelente capacidade de diálogo, é comprometido com o Estado de Direito e qualificado para o cargo” e ainda afirmava que, “se indicado, fará um grande trabalho na Procuradoria-Geral”.

O texto no entanto, segundo a reportagem, foi escrito pelo próprio Aras e apenas enviado pelos ministros por Dallagnol.

Avatar de Redação

Redação

Direto da Redação da Revista Fórum.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR