Veja 10 absurdos ditos por Jair Bolsonaro durante o Roda Viva

Como esperado, Jair Bolsonaro não decepcionou e proferiu uma infinidade de frases absurdas no programa da TV Cultura

Na noite desta segunda-feira (30), o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL) participou do programa Roda Viva, na TV Cultura. A participação do parlamentar encerrou as entrevistas do Roda Viva com os presidenciáveis da eleição de 2018.

Como esperado, Jair Bolsonaro não decepcionou e proferiu uma infinidade de frases absurdas. Algumas racistas, outras machistas, algumas homofóbicas e outras ainda, completamente fora do contexto do que havia sido perguntado pelos entrevistadores. Confira uma “seleção” com 10 frases ditas por Bolsonaro durante o programa:

1 – “Não pode o pai chegar em casa, encontrar o Joãozinho de 6 anos de idade, brincando de boneca por influência da escola

2 – “Não sabia que o Eduardo Cunha tinha problemas com a Justiça”

3 – “Paulo Guedes (economista da campanha do PSL) é meu posto Ipiranga”

4 – “Os portugueses nem pisavam na África, os próprios negros que entregavam os escravos”

5 – “Que dívida histórica é essa que temos com os negros?”

6 – “Políticas para que a mortalidade infantil deixe de subir? Tem a ver com a questão da alimentação da mãe, muitas gestantes não fazem sua higiene bucal também”.

Publicidade

7 – “Trump está fazendo um excelente governo no seu país”.

8 – “Tenho mais de 500 projetos apresentados em 27 anos” (São 176, corrigiu um dos entrevistadores)

Publicidade

9 – “Não fui maldoso quando disse que um quilombola que pesava 7 arrobas não serve nem para procriar” (Bolsonaro foi condenado por racismo pela frase)

10 – “O sentimento que tenho nas ruas é que tenho mais votos que Lula. Todo modo, as eleições estarão sob suspeição”

Avatar de Redação

Redação

Direto da Redação da Revista Fórum.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR