Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
03 de abril de 2019, 20h16

Vélez diz que não houve ditadura no Brasil e quer recontar história nos livros didáticos

De acordo com o ministro da Educação, haverá mudanças progressivas" nos livros didáticos para que "as crianças possam ter a ideia verídica, real", do que foi o golpe de 1964 e a ditadura

Foto: Lula Marques

O governo de Jair Bolsonaro, que incentivou comemorações do golpe de 1964 que culminou na ditadura militar, agora propõe um revisionismo histórico sobre o período dos anos de chumbo no Brasil. Ao menos é o que aventa o ministro da Educação, Ricardo Vélez.

Em entrevista ao site do Valor divulgada nesta quarta-feira (3), o colombiano nega que houve um golpe e uma ditadura no Brasil e afirma que haverá uma mudança progressiva nos livros didáticos sobre os eventos que reconhecidos e condenados no mundo inteiro.

“Haverá mudanças progressivas [nos livros didáticos] na medida em que seja resgatada uma versão da história mais ampla”, afirmou. “O papel do MEC é garantir a regular distribuição do livro didático e preparar o livro didático de forma tal que as crianças possam ter a ideia verídica, real, do que foi a sua história”, disse, quando perguntado sobre o assunto.

Com relação à negação do golpe e da ditadura, o ministro disparou: “Foi um regime democrático de força, porque era necessário nesse momento”. Segundo Vélez, o que houve em 1964 não foi um golpe. “A história brasileira mostra que o 31 de março de 1964 foi uma decisão soberana da sociedade brasileira. Quem colocou o presidente Castelo Branco no poder não foram os quartéis. “Foi a votação no Congresso, uma instância constitucional, quando há a ausência do presidente. Era a Constituição da época e foi seguida à risca. Houve uma mudança de tipo institucional, não foi um golpe contra a Constituição da época, não.”

O revisionismo nos livros de história sobre o período da ditadura é uma possibilidade que já havia sido aventada pelo deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho de Jair Bolsonaro. Relembre aqui.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum