Fórumcast, o podcast da Fórum
03 de abril de 2019, 20h16

Vélez diz que não houve ditadura no Brasil e quer recontar história nos livros didáticos

De acordo com o ministro da Educação, haverá mudanças progressivas" nos livros didáticos para que "as crianças possam ter a ideia verídica, real", do que foi o golpe de 1964 e a ditadura

Foto: Lula Marques

O governo de Jair Bolsonaro, que incentivou comemorações do golpe de 1964 que culminou na ditadura militar, agora propõe um revisionismo histórico sobre o período dos anos de chumbo no Brasil. Ao menos é o que aventa o ministro da Educação, Ricardo Vélez.

Em entrevista ao site do Valor divulgada nesta quarta-feira (3), o colombiano nega que houve um golpe e uma ditadura no Brasil e afirma que haverá uma mudança progressiva nos livros didáticos sobre os eventos que reconhecidos e condenados no mundo inteiro.

“Haverá mudanças progressivas [nos livros didáticos] na medida em que seja resgatada uma versão da história mais ampla”, afirmou. “O papel do MEC é garantir a regular distribuição do livro didático e preparar o livro didático de forma tal que as crianças possam ter a ideia verídica, real, do que foi a sua história”, disse, quando perguntado sobre o assunto.

Com relação à negação do golpe e da ditadura, o ministro disparou: “Foi um regime democrático de força, porque era necessário nesse momento”. Segundo Vélez, o que houve em 1964 não foi um golpe. “A história brasileira mostra que o 31 de março de 1964 foi uma decisão soberana da sociedade brasileira. Quem colocou o presidente Castelo Branco no poder não foram os quartéis. “Foi a votação no Congresso, uma instância constitucional, quando há a ausência do presidente. Era a Constituição da época e foi seguida à risca. Houve uma mudança de tipo institucional, não foi um golpe contra a Constituição da época, não.”

O revisionismo nos livros de história sobre o período da ditadura é uma possibilidade que já havia sido aventada pelo deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho de Jair Bolsonaro. Relembre aqui.


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum