Fórumcast, o podcast da Fórum
27 de julho de 2018, 10h25

Viagens ‘forçadas’ de presidentes da Câmara e do Senado já custam R$ 250 mil

Pré-candidatos, Eunício Oliveira (MDB) e Rodrigo Maia (DEM) deixam o País para não ficarem inelegíveis nas eleições 2018

Foto: Beto Barata/PR/FotosPúblicas

Para evitar ficarem inelegíveis nas eleições de 2018, os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), fizeram viagens ao exterior nos últimos três meses com custo de pelo menos R$ 250 mil aos cofres públicos. Ambos foram em missões oficiais a outros países nos mesmos períodos em que o presidente Michel Temer (MDB) deixou o Brasil. Apesar de Eunício e Maia recusarem receber as diárias a que teriam direito nessas viagens, outros parlamentares e servidores as receberam, gerando gastos para os cofres públicos.

Caso ficassem no País, Maia e Eunício, por estarem na linha sucessória, assumiriam a Presidência da República. Assim, pela legislação, ficariam impedidos de concorrer nas eleições deste ano. Os dois são candidatos à reeleição. Quem assumiu a Presidência de forma interina, foi a ministra Cármen Lúcia, presidente do Supremo Tribunal Federal.

A primeira das viagens foi no início de abril, quando Temer participou da 8.ª Cúpula das Américas, no Peru. O presidente do Senado foi ao Japão, em uma missão oficial acompanhado dos senadores Jorge Viana (PT-AC) e Antônio Anastasia (PSDB-MG). O site do Senado mostra o pagamento de R$ 30.138 aos senadores e a servidores, além de um empenho de R$ 14 mil para serviço de foto, intérprete e guia durante a missão. Estimativas apontam gasto de R$ 53 mil com combustível, uma vez que a viagem foi feita em avião da FAB.

Em junho, quando Temer foi ao Paraguai, Maia realizou uma viagem para Portugal e Eunício foi para Argentina. Na Câmara, as diárias dos servidores somaram R$ 36.524. No Senado foram mais R$ 5.346. Eunício usou um avião da FAB com um gasto de combustível estimado em R$ 31 mil. Já em julho, Temer esteve em Cabo Verde – Maia realizou uma missão oficial ao Chile, cuja despesa ainda não foi contabilizada na Câmara. Mas foi usado um avião da FAB, com estimativa de custo de R$ 38.500.

Maia não quis comentar a situação e disse que apenas está cumprindo a lei. Por meio de sua assessoria, o presidente do Senado disse defender mudanças na lei da inelegibilidade, “ou que seja encontrado outro mecanismo para evitar essas saídas do País”. O economista Gil Castello Branco, fundador e secretário-geral da entidade Contas Abertas, defende que a lei atual seja revista. “O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) deveria se preocupar com isso”, disse ele.

Tramita no Congresso Nacional uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC), de autoria do deputado Rodrigo Garcia (DEM-SP), para mudar a regra de ineligibilidade. A matéria só pode ser apreciada após o fim da intervenção federal no Rio de Janeiro, mas Garcia acredita que a proposta tem apoio suficiente para ser aprovada em plenário.

Com informações do Estadão


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum