Vídeo: Novo ministro da Educação dizia que criança “deve sentir dor” para aprender

"Não dá para argumentar de igual para igual com criança, senão ela deixa de ser criança", afirmou o pastor Milton Ribeiro em culto realizado há 4 anos

Além de criticar as universidades por supostamente exercerem uma “pressão” sobre a prática sexual dos estudantes, o novo ministro da Educação, pastor Milton Ribeiro, também é defensor do rigor no ensino de crianças.

Em vídeo chamado “A Vara da Disciplina”, publicado no canal da Igreja Presbiteriana Jardim da Oração há cerca de quatro anos, ele afirma que é preciso “deixar marcas” nos filhos.

“Não dá para argumentar de igual para igual com criança, senão ela deixa de ser criança. Deve haver rigor, severidade. Vou dar um passo a mais, talvez algumas mães até fiquem com raiva de mim: deve sentir dor”, declara o pastor”, defende.

“A vara da disciplina não pode ser afastada da nossa casa”, diz ainda.

A chamada “Lei da Palmada” (nº 13.010), promulgada em 2014, alterou o Estatuto da Criança e do Adolescente (lei 8.069/90) e o Código Civil Brasileiro (lei 10.406/02) “para estabelecer o direito da criança e do adolescente de serem educados e cuidados sem o uso de castigos físicos ou de tratamento cruel ou degradante”.

Nomeado nesta sexta-feira como ministro da Educação, o reverendo afirmou que iria “engrandecer o nome de Deus”, em junho de 2019, logo após assumir função pública na Comissão de Ética Pública da Presidência.

Assista:

Avatar de Lucas Rocha

Lucas Rocha

Lucas Rocha é formado em jornalismo pela Escola de Comunicação da UFRJ e cursa mestrado em Políticas Públicas na FLACSO Brasil. Carioca, apaixonado por carnaval e pela América Latina, é repórter da sucursal do Rio de Janeiro da Revista Fórum e apresentador do programa Fórum Global

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR