Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
05 de outubro de 2018, 15h24

“Viola Perfumosa”, de Ceumar, Paulo Freire e Lui Coimbra resgata a obra de Inezita Barroso

O disco é conduzido em formato de prosa, com direito a “causos”, conversas e cacos, mas sem com isso perder, em momento algum, um grande rigor na execução. É um primor, pra dizer o mínimo

Capa de Viola Perfumosa. Foto: Divulgação

O álbum é um primor, pra dizer o mínimo. Nele, estão reunidos quatro grandes talentos da nossa canção popular. Um deles em merecida homenagem e os outros três atuando, cantando e tocando. A homenageada é a grande dama da música caipira Inezita Barroso. Os “cantautores” são a cantora e violonista Ceumar; o violeiro, contador de causos, compositor e cantor Paulo Freire e o violoncelista e cantor Lui Coimbra.

O álbum, batizado de “Viola Perfumosa”, é basicamente executado pelos três, contando apenas com o pandeiro de Marcos Suzano aqui e acolá. A instrumentação, toda ela conduzida basicamente pela viola de Paulo Freire, o violão e as percussões de Ceumar, o violão, violoncelo, rabeca e charango de Lui Coimbra, tem trejeitos de música de câmera.

O disco é conduzido em formato de prosa, com direito a “causos”, conversas e cacos, mas sem com isso perder, em momento algum, um grande rigor na execução.

Lui Coimbra, Ceumar e Paulo Freire. Foto: Divulgação

O repertório é todo formado por sucessos gravados por Inezita Barroso. Isto significa um apanhado muito significativo de canções tradicionais de várias partes do Brasil. Peças que, se hoje são clássicos absolutos e fazem parte do consciente coletivo do nosso povo, devem isso às interpretações antológicas de Inezita.

Como diz o texto de divulgação do álbum, “a cantora, atriz e pesquisadora atravessou as últimas seis décadas como a mais importante voz na defesa da música realmente popular e do folclore brasileiro. Inezita foi uma das responsáveis por resgatar a música caipira, redimensionando-a como um produto de valor artístico incontestável”.

Canções como “Luar do Sertão”, de Catulo da Paixão Cearense e João Pernambuco; “Índia”, de Manuel Ortiz Guerrero e José Asunción Flores, com versão de José Fortuna; “Oi Calango Ê”, de Hervé Cordovil; a antológica “Moda da Pinga”, de Ochelsis Laureano; “Bolinho de Fubá”, de Edvina de Andrade entre muitas outras são entremeadas de “causos” narrados de maneira magistral por Paulo Freire.

Feito alunos aplicados e extremamente talentosos, os três autores de “Viola Perfumosa” remetem, em suas interpretações, as nuances e tons de Inezita, seu bom humor e paixão pelas obras, ritmos e tradições. A interpretação de Ceumar para a “Moda da Pinga” é magistral. O duo de vozes masculinas evoca os grandes conjuntos vocais, como o Bando da Lua e os diálogos são impagáveis.

O álbum é comovente, divertido e lírico. A interpretação de “Horóscopo”, por Paulo Freire é hilária e nos remete à sua obra, repleta de prosas e “causos”. O toque camerístico, que nos aponta o grande diálogo que a obra de Villa-Lobos tem com a cultura popular, é dado por Lui Coimbra. Entre a homenagem a o apuro artístico, o grande instrumentista constrói o caminho inverso e devolve a Villa-Lobos a homenagem.

Poderia passar páginas e páginas de adjetivos sobre “Viola Perfumosa”, sua qualidade e importância para a nossa cultura em tempos tão bicudos e, sobretudo, o quanto esse lindo disco nos traz de alento e esperança. Mas o melhor mesmo é deixar pra vocês. Vai ouvindo…


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum