YouTube derruba 14 lives de Bolsonaro por disseminação de informações falsas

Em nota, a rede social destacou que Bolsonaro fez afirmações infundadas sobre cloroquina e atacou o uso de máscaras

O YouTube decidiu remover 15 vídeos publicados pelo presidente Jair Bolsonaro no canal oficial do mandatário por disseminação de informações falsas sobre a pandemia de Covid-19. Entre as publicações retiradas estão 14 lives semanais do presidente.

Segundo o colunista Guilherme Amado, do Metrópoles, entre as transmissões removidas estão a que participou o ex-ministro Eduardo Pazuello em 6 de agosto de 2020 e a que participou a ministra Damares Alves em 27 de agosto de 2020.

“Após análise cuidadosa, removemos vídeos do canal Jair Bolsonaro por violar nossas políticas de informações médicas incorretas sobre a Covid-19. Nossas regras não permitem conteúdo que afirma que hidroxicloroquina e/ou ivermectina são eficazes para tratar ou prevenir Covid-19; garante que há uma cura para a doença; ou assegura que as máscaras não funcionam para evitar a propagação do vírus”, disse o YouTube em nota.

Caso o presidente cometa mais uma violação, ele pode ser impedido de publicar conteúdo por pelo menos 1 semana.

Essa não é a primeira vez que o YouTube remove vídeos de Bolsonaro, mas é primeira desde a nova política sobre conteúdo relativo à pandemia. Ou seja, essa é a primeira punição que pode gerar uma remoção do canal do presidente.

Avatar de Lucas Rocha

Lucas Rocha

Lucas Rocha é formado em jornalismo pela Escola de Comunicação da UFRJ e cursa mestrado em Políticas Públicas na FLACSO Brasil. Carioca, apaixonado por carnaval e latino-americanista convicto, é repórter da sucursal do Rio de Janeiro da Revista Fórum e apresentador do programa Fórum América Latina

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR