YouTube suspende conta de Bolsonaro por 7 dias após fake news sobre vacina

Caso sofra mais duas punições, o presidente pode ter canal suspenso por tempo indeterminado

Após Facebook e Instagram derrubarem o vídeo da live em que o presidente Jair Bolsonaro propagou uma fake news relacionando a vacina contra a Covid-19 com a Aids, foi a vez do YouTube punir o canal do mandatário.

Em comunicado, a plataforma afirmou que removeu o “vídeo do canal de Jair Bolsonaro por violar as nossas diretrizes de desinformação médica sobre a Covid-19 ao alegar que as vacinas não reduzem o risco de contrair a doença e que causam outras doenças infecciosas”.

“As nossas diretrizes estão de acordo com a orientação das autoridades de saúde locais e globais, e atualizamos as nossas políticas à medida que a orientação muda. Aplicamos as nossas políticas de forma consistente em toda a plataforma, independentemente de quem for o criador ou qual a sua opinião política”, afirmou a rede social.

Em julho, o YouTube derrubou 15 vídeos publicados por Bolsonaro, incluindo 14 lives. Na ocasião, o presidente recebeu um aviso de que se isso voltasse a ocorrer poderia sofrer punições, de acordo com as novas diretrizes da plataforma.

Com a reincidência, Bolsonaro chegou à primeira punição (strike), o que provoca uma suspensão automática de 7 dias. Ou seja, o presidente está impedido de publicar em seu canal oficial no YouTube por uma semana.

Se o mandatário infringir as normas da rede em mais duas oportunidades, pode ter o seu canal suspenso por tempo indeterminado.

Com informações do G1

Avatar de Lucas Rocha

Lucas Rocha

Lucas Rocha é formado em jornalismo pela Escola de Comunicação da UFRJ e cursa mestrado em Políticas Públicas na FLACSO Brasil. Carioca, apaixonado por carnaval e pela América Latina, é repórter da sucursal do Rio de Janeiro da Revista Fórum e apresentador do programa Fórum Global

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR