Zambelli desiste de processo contra Sara Winter que a acusou de ter feito “aborto intencional”

A ex-feminista se retratou com a deputada no começo deste ano. Ambas fazem parte da militância bolsonarista e são alvos de inquérito que investiga fake news

A deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP) desistiu, em janeiro deste ano, do processo em que acusava a ex-feminista Sara Winter por calúnia, injúria e difamação. Em 2019, a militante publicou um vídeo em que acusava a parlamentar de ter feito um aborto intencional em 2012.

De acordo com a coluna de Mônica Bergamo, na Folha de S.Paulo, Winter se retratou com a deputada e o processo foi cancelado. Hoje, as duas estão unidas na militância bolsonarista e ambas são alvos de inquérito do Supremo Tribunal Federal (STF) que investiga fake news.

Tanto Zambelli quanto Winter se posicionaram contra a investigação em suas redes sociais. A ex-feminista chegou a publicar um vídeo ameaçando o ministro responsável pelo inquérito, Alexandre de Moraes.

“Os verdadeiros democratas somos nós, nós que estamos lutando pela tripartição do poder. Isso aqui é tripartição? Se isso aqui for tripartição, pega essa tripartição e enfia no seu cu, Alexandre de Moraes. Seu filho da puta, arrombado do caralho. Seu merda. Manda me prender, seu merda. Covarde do caralho. Nem homem você é, vou te ensinar a virar homem. Nem isso você é. Sua mãe deve ter vergonha de você”, vociferou.

O inquérito criminal para apurar “notícias fraudulentas”, ofensas e ameaças que “atingem a honorabilidade e a segurança do STF e de seus membros e familiares” foi aberto em março pelo presidente da Corte, ministro Dias Toffoli, sem um pedido de autoridades policiais ou procuradores e sem a participação do Ministério Público.

Avatar de Redação

Redação

Direto da Redação da Revista Fórum.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR