Zanin responde a economista do Santander que defendeu golpe contra Lula

Advogado de Lula afirmou que “é preciso defender sempre o Estado de Direito e repudiar os ‘balões de ensaio’”

Cristiano Zanin, advogado do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, respondeu em sua conta do Twitter, nesta segunda-feira (16), ao economista do Santander, Victor Candido, que divulgou um relatório, que defende um golpe de Estado para evitar que Lula volte à presidência em 2022.

“É preciso defender sempre o Estado de Direito e repudiar os ‘balões de ensaio’ de qualquer projeto de ruptura, seja qual for a origem”, afirmou.

O texto divulgado pelo economista faz as seguintes referências ao ex-presidente Lula:

“Dito isso, é preciso reconhecer um problema na eleição de 2022: a perspectiva de retorno ao poder da máquina de corrupção do governo Lula”, diz um trecho.

Em outro, afirma: “Se o sistema político e judicial, se o establishment político brasileiro acha cômico o governo Bolsonaro, o retorno de Lula e seus aliados representa uma ameaça bem mais séria. Hoje, Lira é o presidente da Câmara, mas sob um governo do PT, seria um modesto aliado abrigado em um cargo menor”.

“Em suma, ninguém apoiará um golpe em favor de Bolsonaro, mas é possível especular sobre um golpe para evitar o retorno de Lula. Ele era inelegível até outro dia, por exemplo, pode voltar a sê-lo”, prossegue.

O que diz o Santander

Em nota após a repercussão do relatório enviado pelo economista, o Santander informou que “o texto citado não corresponde, sob qualquer hipótese, a uma visão da instituição, que restringe suas análises econômicas a variáveis que impactem a vida financeira de seus clientes, sem qualquer viés político ou partidário”.

“O conteúdo trata-se, tão somente, de avaliação feita por uma consultoria independente – que não censuramos e por cujo teor não nos responsabilizamos -, repassada a um grupo restrito de investidores que necessitam embasar suas decisões em diferentes visões do cenário nacional”, afirma ainda a instituição.

Publicidade

Consultoria

O relatório sobre o golpe contra Lula compartilhado pelo economista do Santander partiu CAC Consultoria Política, empresa de análise que trabalha junto ao banco.

Até o momento a consultoria não se manifestou sobre o texto compartilhado pela instituição financeira.

Publicidade

PT representou contra

O Partido dos Trabalhadores (PT) representou contra o economista do Santander. O texto assinado pelos deputados federais Elvino Bohn Gass (PT-RS), Alencar Santana (PT-SP) e Reginaldo Lopes (PT-MG) diz que o economista, “munido da sanha antidemocrática que se abate sobre uma parcela de néscios que aflorou no País nos últimos anos, na condição de economista do Banco Santander, enviou um relatório a clientes e operadores da referida Instituição bancária, onde defende, sem maiores preocupações, talvez substanciado nos exemplos diários que partem inclusive do Chefe da Nação, um golpe de Estado no País, para evitar o retorno, pelas vias democráticas, que se avizinha, do Presidente Lula”.

A representação destaca, ainda, que “a conduta tipifica, em tese, os delitos em destaque, o que agrava sua ação e sugere a adoção de providências legais céleres”.

E menciona os “artigos 286 e 287 do Código Penal: Art. 286 – Incitação ao crime – Incitar, publicamente, a prática de crime: Pena – detenção, de três a seis meses, ou multa. Apologia de crime ou criminoso – Art. 287 – Fazer, publicamente, apologia de fato criminoso ou de autor de crime: Pena – detenção, de três a seis meses, ou multa.

Com isso, o PT pede “abertura de procedimento investigatório criminal com vistas a apurar as condutas perpetradas pelo Representado e, ao final, se for o caso, a propositura da ação penal cabível”.

Avatar de Julinho Bittencourt

Julinho Bittencourt

Jornalista, editor de Cultura da Fórum, cantor, compositor e violeiro com vários discos gravados, torcedor do Peixe, autor de peças e trilhas de teatro, ateu e devoto de São Gonçalo - o santo violeiro.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR