Imprensa livre e independente
24 de maio de 2019, 08h54

Político oculto da confissão de Cabral é Aécio Neves, afirma Lauro Jardim

Cabral não citou o nome de Aécio, que é amigo de juventude de Sadala, para que o caso não saia da jurisdição do Rio de Janeiro e vá para Brasília

Foto: Wellington Pedro/Imprensa MG
Em depoimento dado nesta quinta-feira (23) ao juiz Marcelo Bretas, o ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, afirmou que conheceu Georges Sadala por um intermédio de “um político nacional de outro estado”. O tal político, de acordo com a coluna de Lauro Jardim, é Aécio Neves (PSDB-MG). Cabral não citou o nome de Aécio, que é amigo de juventude de Sadala, para que o caso não saia da jurisdição do Rio de Janeiro e vá para Brasília. Sérgio Cabral, que está preso desde novembro de 2016 e condenado a quase 200 anos de prisão por comandar um esquema de...

Em depoimento dado nesta quinta-feira (23) ao juiz Marcelo Bretas, o ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, afirmou que conheceu Georges Sadala por um intermédio de “um político nacional de outro estado”.

O tal político, de acordo com a coluna de Lauro Jardim, é Aécio Neves (PSDB-MG).

Cabral não citou o nome de Aécio, que é amigo de juventude de Sadala, para que o caso não saia da jurisdição do Rio de Janeiro e vá para Brasília.

Sérgio Cabral, que está preso desde novembro de 2016 e condenado a quase 200 anos de prisão por comandar um esquema de propinas no governo do Estado do Rio, afirmou em depoimento à Justiça Federal nesta quinta-feira, que, durante sua gestão, manipulou a licitação para escolha das empresas que prestariam serviço ao Rio Poupatempo, para beneficiar o empresário Georges Sadala.

Em troca, disse ter recebido propina de R$ 1,5 milhão, maior do que a estimada pelo Ministério Público Federal. A ação do MPF fala em propina de R$ 1,3 milhão. Houve essa propina, mas na verdade foi de R$ 1,5 milhão”, disse Cabral.

Veja também:  Dallagnol disse à esposa que pretendia ganhar até R$ 400 mil líquidos com palestras em 2018

Na mesma audiência, depois de Cabral, também prestou depoimento o empresário Sadala. Ele disse estar “estarrecido” com a afirmação de Cabral de que pagou R$ 1,5 milhão em propina.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum