Imprensa livre e independente
15 de março de 2019, 12h48

Presidente do Banco do Brasil diz que empresa estaria “melhor na mão do setor privado”

“No Banco do Brasil, me sinto de mão atadas. É como se tivesse bolas chumbo nas pernas para competir com os bancos privados”, disse

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
O presidente do Banco do Brasil, Rubem Novaes, afirmou em evento no Rio de Janeiro, nesta sexta-feira (15), que “está convencido” de que a empresa “deveria ser privatizada”. “Estou convencido que o Banco do Brasil deveria ser privatizado. No Banco do Brasil, me sinto de mão atadas. É como se tivesse bolas chumbo nas pernas para competir com os bancos privados”, disse. Novaes disse ainda que não está em cogitação nenhuma venda das grandes estatais do Brasil, como da Caixa Econômica Federal, Petrobrás e, inclusive do Banco do Brasil. Mas reforçou que o País deveria bater nessa tecla porque essas companhias...

O presidente do Banco do Brasil, Rubem Novaes, afirmou em evento no Rio de Janeiro, nesta sexta-feira (15), que “está convencido” de que a empresa “deveria ser privatizada”.

“Estou convencido que o Banco do Brasil deveria ser privatizado. No Banco do Brasil, me sinto de mão atadas. É como se tivesse bolas chumbo nas pernas para competir com os bancos privados”, disse.

Novaes disse ainda que não está em cogitação nenhuma venda das grandes estatais do Brasil, como da Caixa Econômica Federal, Petrobrás e, inclusive do Banco do Brasil. Mas reforçou que o País deveria bater nessa tecla porque essas companhias estariam “melhor na mão do setor privado”.

“Está havendo um apoio crescentes das pessoas que pensam com mais responsabilidade sobre a economia do país. E agora a gente vai precisar muito desse apoio para avançar também na área de privatização, sobretudo do setor bancário”, afirmou.

Com informações do G1

Veja também:  Cartas do Pai: “Movimento dos Sem Remédios”

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum