Imprensa livre e independente
27 de abril de 2018, 15h39

Programação de 1º de Maio inclui atos em defesa de Lula, da democracia e contra a reforma trabalhista

Principal atividade está programada para Curitiba, que terá encontro inédito das centrais sindicais; ato da CUT em São Paulo será na Praça da República

Foto: Paulo Pinto/Agência PT Por Rede Brasil Atual No primeiro 1º de Maio depois de implementada a “reforma” da legislação trabalhista, a revogação da Lei 13.467 e a defesa dos direitos sociais e da democracia marcarão as atividades da próxima terça-feira em todo o país. A principal está prevista para Curitiba, onde as centrais sindicais farão uma inédita manifestação conjunta no Dia do Trabalho, pedindo a libertação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso desde o dia 7, e a realização de eleições livres. Para o presidente da CUT, Vagner Freitas, será um dia histórico, por ser o primeiro ato...

Foto: Paulo Pinto/Agência PT

Por Rede Brasil Atual

No primeiro 1º de Maio depois de implementada a “reforma” da legislação trabalhista, a revogação da Lei 13.467 e a defesa dos direitos sociais e da democracia marcarão as atividades da próxima terça-feira em todo o país. A principal está prevista para Curitiba, onde as centrais sindicais farão uma inédita manifestação conjunta no Dia do Trabalho, pedindo a libertação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso desde o dia 7, e a realização de eleições livres.

Para o presidente da CUT, Vagner Freitas, será um dia histórico, por ser o primeiro ato unificado desde a redemocratização do país. “A CUT entende que defender os direitos dos trabalhadores é ter Lula Livre e candidato à Presidência, para que possamos eleger um presidente que revogue a reforma trabalhista”, afirma.

A concentração das centrais (CSB, CTB, CUT, Força Sindical, Intersindical, Nova Central e UGT) será na Praça Santo Andrade, também conhecida como Praça da Democracia, no centro histórico de Curitiba. Fica a aproximadamente oito quilômetros da Superintendência da Polícia Federal, onde Lula está preso. Além de integrantes das frentes Brasil Popular e Povo sem Medo e políticos de diversos partidos, também são esperados sindicalistas de Argentina, Paraguai e Uruguai, entre outros países.

Veja também:  Joice Hasselmann vira meme ao bajular Bolsonaro no Pânico. Vídeo

Estão previstas manifestações de 1º de Maio por todo o país, embora de alguns e estados sairão caravanas rumo a Curitiba. Na capital paulista, a manifestação será na Praça da República, na região central, a partir das 12 horas. Entre as atrações confirmadas, estão a banda Liniker e os Caramelows, a rapper Preta Rara e a sambista Lecy Brandão, além do grupo Mistura Popular, a escola Unidos de Santa Bárbara e intérpretes da Paraíso do Tuiuti no carnaval, Grazzi Brasil e Celsinho Mody. Esse ato é organizado pela CTB, CUT e Intersindical, além das duas frentes.

Já no Rio de Janeiro, a concentração convocada pela CUT está marcada na Praça XV, no centro, às 14 horas. Haverá uma caminhada pelo Boulevard Olímpico até a Praça Mauá.

Em Porto Alegre, será no Parque da Redenção, às 10 horas, e contará com a apresentação de Nei Lisboa, Raul Ellwanger, Grupo Unamérica e outros artistas. Em Brasília, o ato, no estacionamento da Funarte, inclui debate com movimentos sociais, apresentações culturais e atividades para as crianças.

Há outro ato previsto em São Paulo, organizado pela Força Sindical. Será na Praça Campo de Bagatelle, na zona norte, das 9 às 15 horas. A UGT realizou nesta quinta-feira (26) um seminário sobre os impactos da 4ª Revolução Industrial no mundo do trabalho.

Veja também:  "Só reforça o que falamos", diz defesa de Lula sobre diretor da Odebrecht coagido pela Lava Jato

 

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum