Blog do George Marques

direto do Congresso Nacional

24 de junho de 2019, 14h56

”Quando casei com Malu, perdi os meus direitos”, diz Daniela Mercury no Congresso Nacional

Cantora e esposa participaram de sessão solene na Câmara dos Deputados em homenagem aos 50 anos do levante de Stonewall; Malu Mercury disse que casamento das duas foi 'ato político'

Foto: Michel Jesus/ Câmara dos Deputados

Daniela Mercury, 53, e sua esposa Malu, 42, estiveram no Congresso Nacional na manhã desta segunda-feira (24) para serem homenageadas em sessão solene pelos 50 anos da revolução de Stonewall nos EUA, realizada pela comunidade LGBT contra a invasão da polícia em 1969 ao bar Stonewall Inn, em Nova York. Na ocasião, a cantora disse que se sentia honrada em falar pela comunidade LGBTQ+, e lamentou a falta de direitos, mesmo estando vivendo dentro de uma democracia.

“Eu era casada com homens e quando casei com Malu, perdi todos os meus direitos”, lembrou, citando como exemplo a questão dos nomes das mães no RG dos filhos. “Vocês entendem a inversão? Que loucura. Como as pessoas não têm seus direitos básicos contemplados? Como, dentro de uma democracia, deixamos isso acontecer?”

A esposa Malu pontuou: “São coisas pequenas, simples, que parecem inofensivas, mas que causam um profundo constrangimento a nossa família, a nossa comunidade LGBT”.

Daniela foi uma das atrações da Parada do Orgulho Gay, em São Paulo, nesse domingo. A artista se assumiu homossexual em 2013, e hoje é militante da causa e luta contra o preconceito e a violência contra a comunidade gay e trans no Brasil.

Veja também:  Embaixadores brasileiros nos EUA não fizeram “nada de bom” desde 2003, afirma Bolsonaro

A cantora ainda afirmou que sempre se sentiu livre, e que hoje se vê “maravilhosa, uma lésbica inteligentíssima, talentosa e de sucesso”. Em contraponto, lamentou que tenha escutado por anos que a homossexualidade é uma doença, um pecado, ou simplesmente que “não é certo”. “É certo sim, e eu sou muito feliz”, disse.

“Que cada um comece a lutar para quebrar as paredes construídas pela sociedade, principalmente sobre o amor próprio. Nos marginalizaram, e continuam a fazer isso à luz do dia, num país democrático”, disse. “Vamos continuar a pressionar”.

Ao final, emocionada, Daniela convidou os presentes a ficarem de pé e entoarem “Canto Da Cidade”. “A gente tem que se celebrar. […] Obrigada pelo esforço, pelo sofrimento. E desculpe pelo sofrimento que tantos passaram ate hoje”.

O levante de Stonewall

O chamado “levante de Stonewall” foi uma série de manifestações de membros da comunidade LGBTI+ contra as invasões da polícia de Nova York que começou em 28 de junho de 1969, no bar Stonewall Inn, e durou três dias.

Veja também:  Bolsonaro bajula Evo Morales e pede para ele trocar a mão esquerda pela direita em foto oficial

Na batida policial, homens que estivessem vestidos de mulher eram presos. Mas, nesse dia, os clientes se recusaram a sair com os policiais ou irem ao banheiro ter o sexo verificado ou a mostrar a identificação.

A polícia novaiorquina reagiu de forma violenta, com agressões e espancamentos, e decidiu levar todos para a delegacia. Uma multidão começou a crescer do lado de fora do bar, e as pessoas presentes começaram a se defender e a lutar contra os oficiais.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum