Imprensa livre e independente
22 de novembro de 2014, 18h02

Quatro filmes brasileiros podem concorrer ao Oscar 2015

O Caminhão do Meu Pai, Elena, This Is Not a Ball e Hoje Eu Quero Voltar Sozinho são as produções brasileiras cotadas para concorrer ao prêmio.

O Caminhão do Meu Pai, Elena, This Is Not a Ball e Hoje Eu Quero Voltar Sozinho são as produções brasileiras cotadas para concorrer ao prêmio Por Helena Martins, da Agência Brasil O curta-metragem O Caminhão do Meu Pai é um dos finalistas ao Oscar 2015. Dirigido pelo paulista Mauricio Osaki, o filme concorre com outras nove produções ao prêmio de Melhor Curta-Metragem. Na categoria Documentário, disputam uma vaga as produções Elena, de Petra Costa, e This Is Not a Ball, do artista plástico Vik Muniz, e, na categoria Melhor Filme Estrangeiro, Hoje Eu Quero Voltar Sozinho, de Daniel Ribeiro. No caso dos três últimos,...

O Caminhão do Meu Pai, Elena, This Is Not a Ball e Hoje Eu Quero Voltar Sozinho são as produções brasileiras cotadas para concorrer ao prêmio

Por Helena Martins, da Agência Brasil

O curta-metragem O Caminhão do Meu Pai é um dos finalistas ao Oscar 2015. Dirigido pelo paulista Mauricio Osaki, o filme concorre com outras nove produções ao prêmio de Melhor Curta-Metragem. Na categoria Documentário, disputam uma vaga as produções Elena, de Petra Costa, e This Is Not a Ball, do artista plástico Vik Muniz, e, na categoria Melhor Filme Estrangeiro, Hoje Eu Quero Voltar Sozinho, de Daniel Ribeiro. No caso dos três últimos, os finalistas ainda não foram divulgados.

Uma coprodução feita entre Brasil e Vietnã e premiada em festivais internacionais, O Caminhão do Meu Pai foi produzido por uma equipe técnica brasileira e tem elenco vietnamita. Filmado em Hanói, ele conta a história de uma menina que passa um dia inteiro acompanhando o pai, que é caminhoneiro. Na sinopse oficial do filme, aos poucos, ela percebe que certo e errado são conceitos amplos. O filme foi exibido em diversos festivais internacionais, inclusive no Festival Internacional de Cinema de Berlim, no ano passado.

Veja também:  Hashtags de apoio a Moro e que atacam Glenn Greenwald foram disparadas do Irã

Na categoria documentário, duas produções brasileiras disputam uma indicação para o prêmio concedido pela Academia de Artes e Ciências Cinematográficas dos Estados Unidos. Os documentários em longa-metragem Elena, de Petra Costa, e This Is Not a Ball, do artista plástico Vik Muniz, podem concorrer ao prêmio. Elena, premiado em festivais nacionais e internacionais, conta a história da irmã mais velha de Petra, que viajou para os Estados Unidos para tentar a sorte como atriz. Duas décadas mais tarde, Petra também se torna atriz e embarca para Nova York em busca de Elena. Tem apenas pistas: filmes caseiros, recortes de jornal, diários e cartas.

This Is Not a Ball é dirigido por Muniz, ao lado de Juan Rendon, foi produzido para a rede de TV por internet Netflix e mostra como diferentes povos de nove países encaram o futebol. O documentário também acompanha a concepção de uma das mais recentes obras do artista, apresentada no México, que foi feito com 20 mil bolas de futebol. Por enquanto, os dois documentários concorrem com outras 132 produções. A lista de filmes que disputarão o prêmio de Melhor Documentário deve ser reduzida para 15 em dezembro.

Veja também:  Bolsonaro chama taxa ambiental de R$ 106 em Fernando de Noronha de "roubo" e diz que vai rever

O longa-metragem de ficção Hoje Eu Quero Voltar Sozinho, de Daniel Ribeiro, disputa com produções de 83 países uma das cinco vagas na categoria Melhor Filme Estrangeiro. O filme, que venceu prêmios em diversos festivais internacionais de cinema, mostra a história de um adolescente cego que se apaixona por um colega de escola.

No dia 15 de janeiro, os finalistas de todas as 23 categorias serão divulgados. A premiação será no dia 22 de fevereiro, durante a 87ª edição da Oscar.

Foto de capa: Divulgação

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum