Imprensa livre e independente
24 de maio de 2019, 10h32

Queiroz pagou R$ 64 mil em dinheiro vivo por cirurgia no Albert Einstein

O ex-assessor de Flávio Bolsonaro ficou internado de 30 de dezembro de 2018 a 8 de janeiro de 2019 para retirada de um câncer de colo

Queiroz internado no Einstein (Foto: MPF)
Reportagem de Chico Otavio e Gustavo Schmitt, nesta sexta-feira (24) no jornal O Globo, revela que o ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), Fabrício Queiroz, pagou em dinheiro vivo os R$ 64,58 mil da cirurgia para retirada de um câncer de colo que realizou no hospital israelita Albert Einstein, em São Paulo. O pagamento foi feito em 14 de fevereiro. Na nota fiscal eletrônica, a qual os jornalistas tiveram acesso, o Einstein informa que Queiroz ficou internado de 30 de dezembro de 2018 a 8 de janeiro de 2019. O tipo de internação foi “clínica médica”. O ex-motorista alegou que...

Reportagem de Chico Otavio e Gustavo Schmitt, nesta sexta-feira (24) no jornal O Globo, revela que o ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), Fabrício Queiroz, pagou em dinheiro vivo os R$ 64,58 mil da cirurgia para retirada de um câncer de colo que realizou no hospital israelita Albert Einstein, em São Paulo. O pagamento foi feito em 14 de fevereiro.

Na nota fiscal eletrônica, a qual os jornalistas tiveram acesso, o Einstein informa que Queiroz ficou internado de 30 de dezembro de 2018 a 8 de janeiro de 2019. O tipo de internação foi “clínica médica”.

O ex-motorista alegou que o montante quitado em dinheiro vivo estava guardado em sua casa para amortizar o financiamento de um apartamento na Taquara, em Jacarepaguá, na Zona Oeste do Rio. O dinheiro foi entregue à tesouraria do hospital pela mulher de Queiroz, Márcia Oliveira de Aguiar.

O advogado de Queiroz, Paulo Klein, garantiu que o cliente tem como comprovar os valores movimentados.

Veja também:  General Heleno: "O Lula é terrível, mas o Fernando Henrique era pior, hein?"

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum