Imprensa livre e independente
20 de junho de 2019, 13h24

“Quero denunciar a quebra da regra democrática nas universidades do Brasil”, diz Boaventura

Doutor em sociologia e professor da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, demonstra apoio às universidades federais do Brasil e denuncia as escolhas do governo Bolsonaro para reitoria das universidades, ignorando a lista tríplice

O governo Jair Bolsonaro (PSL) nomeou, no ultimo dia 12 de junho, a professora Mirlene Ferreira Macedo Damázio, reitora temporária da Universidade Federal da Região da Grande Dourados (UFGD), no Mato Grosso do Sul. A reitoria costuma ser definida pela instituição, mas é a primeira vez, em ao menos 15 anos, que um presidenciável interfere desta forma em uma universidade federal. Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo Boaventura de Sousa Santos, doutor em sociologia e professor da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, gravou um vídeo em apoio às universidades. Nele,...

O governo Jair Bolsonaro (PSL) nomeou, no ultimo dia 12 de junho, a professora Mirlene Ferreira Macedo Damázio, reitora temporária da Universidade Federal da Região da Grande Dourados (UFGD), no Mato Grosso do Sul. A reitoria costuma ser definida pela instituição, mas é a primeira vez, em ao menos 15 anos, que um presidenciável interfere desta forma em uma universidade federal.

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo

Boaventura de Sousa Santos, doutor em sociologia e professor da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, gravou um vídeo em apoio às universidades. Nele, Boaventura diz que a Universidade Federal da Região da Grande Dourados é a primeira a ter lista tríplice ignorada: “me doí e quero denunciar a quebra da regra democrática que estava em vigor nas universidades do Brasil”.

Na terça-feira (18), o governo descumpriu o acordo, em outra Universidade, desta vez na UFTM (Universidade Federal do Triângulo Mineiro) onde o segundo colocado da lista tríplice de candidatos definida pela instituição, foi escolhido.

Veja também:  Governo Bolsonaro quer 108 novas escolas "cívico-militares" até 2023

Leia também: Comunidade acadêmica denuncia e protesta contra intervenção do MEC na UFGD

A lei permite que o presidente escolha um dos três nomes enviados após escolha interna da universidade. Desde o governo Lula (PT), a tradição tem sido a escolha do primeiro por respeitar a vontade da comunidade. A decisão na UFTM deixou de fora o professor de filosofia e ciências sociais Fábio Fonseca, que já foi filiado ao PT e ao PSOL e havia encabeçado a lista tríplice.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum