A “terceira” via não decola. Por quê? Por Valerio Arcary

A fratura política na burguesia brasileira é a mais importante desde o fim da ditadura nos anos 1980

Por Valerio Arcary

Cria corvos e eles te arrancarão os olhos.

Sabedoria popular espanhola

A fratura política na burguesia brasileira é a mais importante desde o fim da ditadura nos anos oitenta. Isso é algo imenso. As eleições de 2022 serão diferentes, pela máxima gravidade, de tudo o que ocorreu nos últimos trinta e cinco anos, e seu desenlace é, neste momento, imprevisível. Quem se deixa embriagar pelas pesquisas que indicam uma provável vitória de Lula comete o mais grave entre os erros impressionistas: o facilismo. Subestimar Bolsonaro será fatal.

Mas é verdade que se abriu uma brecha na classe dominante. Ela teve um custo terrível: a banalização da barbárie por um governo genocida, que trabalhou pela aceleração do contágio da pandemia que resultou em uma tragédia humanitária. Bolsonaro foi longe demais, mesmo para os padrões selvagens da superexploração que prevalecem no Brasil.

O elemento mais intrigante da conjuntura deste trimestre final de 2021 é, portanto, o imbróglio da incerteza e indefinição da “terceira” via contra Bolsonaro e contra Lula. Afinal, essa é a aposta prioritária do núcleo central da fração mais poderosa da burguesia. Estamos diante de uma “crise de direção” da classe dominante, a mais importante da periferia do capitalismo, que permanece dividida.

A polarização entre Bolsonaro e Lula não interessa aos grandes capitalistas. Embora as duas correntes que disputam influência entre o agronegócio, o capital comercial, industrial e financeiro estejam muito unificadas em torno do projeto estratégico de choque econômico-social, as diferenças políticas são incontornáveis.

O capitalismo brasileiro pode se adaptar a um governo Bolsonaro ou um governo Lula, como a experiência histórica demonstrou. Mas uma adaptação com graus muito diferentes de contrariedade e conflito, desconfiança e tensão. Contra Bolsonaro, alguns manifestos. Contra Dilma Rousseff, um golpe institucional “com o Supremo, com tudo”. A fração mais rica e forte quer uma candidatura própria que defenda a agenda liberal de ajustes e a preservação do regime democrático-eleitoral.        

Publicidade

A analogia da luta política com o xadrez é divertida, mas enganosa. É verdade que o xadrez é um jogo muito mais complexo que as damas. Afinal são peças variadas com diferentes movimentos e possibilidades, mas ainda assim é uma luta somente entre duas forças. Na luta política e social, embora prevaleça, nas nações urbanizadas, a disputa de interesses entre as duas classes mais poderosas, capital e o trabalho assalariado, os conflitos são demasiado complicados para que a divisão se esgote em dois campos.

Por três razões fundamentais: (a) nem a burguesia, nem a classe trabalhadora são tão homogêneos a ponto de poderem se expressar de forma unificada somente através de um partido; (b) as camadas médias, ainda que, politicamente, fragmentadas são, suficientemente, importantes para cumprir um papel de desequilíbrio na definição da relação social de forças; (c) existem, transversalmente, às classes,  grupos sociais: militares, policiais, intelectuais, artistas, religiosos e outros que têm um peso próprio.       

Publicidade

O paradoxo da conjuntura é que a divisão da burguesia, entre o apoio a uma terceira via ou Bolsonaro, parece insolúvel. Nenhum setor importante tem disposição de apoiar Lula, pelo menos no primeiro turno. A resposta mais simples é que o campo que tem a responsabilidade da decisão, em primeiro lugar, PSDB, MDB e DEM, partidos que obtiveram bons resultados nas eleições municipais de 2020, ainda não tem uma liderança competitiva para as eleições presidenciais de 2022 e estão, dramaticamente, divididos. Mas é um argumento “circular”: estão divididos porque não têm uma candidatura viável, e não têm um candidato porque estão divididos.

A questão mais instigante na análise é tentar explicar este impasse, que revela uma decadência profunda. Ela nos remete a três considerações: (a) por que não se abriu um processo de renovação e surgiu uma liderança inconteste, cinco anos depois do impeachment de 2016, e após quase três anos de governo da extrema-direita?; (b) por que não conseguiram consolidar um partido ou uma frente nacional de partidos para oferecer sustentação ao projeto da terceira via?; (c) por que não se formulou sequer um discurso político, como expressão de um programa, que tenha alguma audiência de massas?

A primeira questão repousa em um fenômeno social-político complexo: a eleição de Bolsonaro como expressão carismática de um giro da maioria da classe média para a extrema-direita, no calor das denúncias anticorrupção da operação Lava Jato, capaz de atrair, também, votos em setores populares. Os três principais partidos que, entre 1994 e 2016, fizeram a representação política da classe dominante foram deslocados pelo arrastão radicalizado que provocaram quando incendiaram o país com o golpe institucional dissimulado como impeachment de Dilma Rousseff.

O feitiço se voltou contra os feiticeiros.  Os quadros que foram sendo selecionados para fazer a representação dos grandes oligopólios capitalistas, durante os mandatos do PT na presidência, foram, politicamente, torrados, trucidados, decapitados por investigações: Aécio Neves do PSDB em Minas e Sergio Cabral do Rio no PMDB, entre muitos outros. A improvisação de um nome com credibilidade, e que possa despertar confiança e expectativa nos setores da classe dominante que se afastaram de Bolsonaro não é simples.

O melhor colocado seria João Doria, mas não tem audiência nacional, e disputa um PSDB fraturado nas prévias contra Eduardo Leite. Sergio Moro construiu uma imagem de “justiçeiro” em parcelas das camadas médias saiu do país há um ano, não tem força para disputar o lugar de Bolsonaro na extrema-direita, e o Podemos é um partido de aluguel. Mandetta do DEM vem do Mato Grosso do Sul, um Estado periférico do centro-oeste, e teve seus cinco minutos de prestígio somente porque foi demitido por Bolsonaro. Rodrigo Pacheco tem a vantagem de vir de Minas Gerais, o segundo colégio eleitoral, mas além de desconhecido, é apresentado pelo PSD de Gilberto Kassab, que não tem inserção nacional. Simone Tebet obteve alguma visibilidade com a CPI, mas é muito improvável que o MDB sustente uma candidatura. Nenhum destes pré-candidatos desperta simpatia nas amplas massas populares.

Resta, portanto, Ciro Gomes, que permanece melhor colocado, mas não tem, por enquanto, os apoios necessários na classe dominante. Não é por outra razão que se reposiciona explorando os rancores antipetistas, para tentar superar uma preferência inferior a 10%.

A segunda questão é que o declínio do PSDB, como o eixo de uma Frente de oposição de centro-direita liberal a Bolsonaro, não foi superado. E não surgiu nenhum partido que possa substituí-lo. E tudo indica que as dificuldades da fração mais forte da burguesia em estruturar a sua representação nacional, diante do desafio que será construir uma candidatura que terá que enfrentar Bolsonaro e o papel centrífugo do centrão, não será contornada antes das eleições de 2022.

A terceira é a ausência de um discurso, minimamente, convincente. A bandeira da defesa das instituições parlamentares e jurídicas do regime não parece ter fôlego, a não ser em setores minoritários da classe média. A defesa de um choque de capitalismo com privatizações terá que ser disputada com Bolsonaro, assim como a campanha de luta contra a corrupção. Sobre o desemprego, a queda do salário médio, a luta por moradia, a crise da educação pública, as reivindicações dos movimentos de mulheres, negros, LGBTIA+, a defesa da Amazonia ou a causa indígena não têm muito a dizer.    

É improvável, portanto, que a terceira via possa se afirmar diante da polarização entre Bolsonaro e Lula. Ou seja, a eleição deve antecipar para o primeiro turno o tipo de polarização que é característica do segundo turno.

Mas a esquerda não será mais forte, eleitoralmente, defendendo ideias do centro-liberal. Terá, politicamente, menos respeito e confiança. A esquerda, se for possível uma unificação desde o primeiro turno, não deve renunciar a um programa de reformas estruturais e medidas anticapitalistas. Tampouco deve fazer alianças com partidos apodrecidos ou lideranças corrompidas que nos desmoralizam.

Diante da fratura burguesa há uma oportunidade histórica.

A mão não deve tremer.

Avatar de Valerio Arcary

Valerio Arcary

É professor titular do IFSP. Doutor em história pela USP, estudou na Universidade de Paris e Lisboa entre 1974/78, participou da revolução portuguesa, voltou ao Brasil e se uniu à Convergência Socialista, esteve presente na reconstrução da UNE em Salvador em 1979, na fundação do PT em 1980 e da CUT em 1983, sendo secretário-geral da CUT/São Paulo entre 1985/86. Atuou na Apeoesp entre 1983/90, foi membro da Executiva Nacional do PT entre 1989/92, e foi presidente nacional do PSTU entre 1993/98 e, desde 2016 é membro da Coordenação Nacional do MAIS/PSOL. É autor de O martelo da história, entre outros livros.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR