sábado, 31 out 2020
Publicidade

A tortura e as atrocidades de Cristóvão Colombo

O Reinado do Terror de Colombo é um dos capítulos mais sombrios da nossa história. Tudo que for feito para reparar a colonização ibérica e os crimes dos colonizadores é pouco, muito pouco diante dos crimes cometidos

Uma das muitas vezes que estive na Argentina para conversar sobre cultura, me levaram para conhecer um museu sobre os crimes da ditadura militar Argentina.

Uma das salas era dedicada às atrocidades dos antepassados espanhóis na época da colonização contra os povos indígenas.

Toda a sala era baseada em relatos de testemunhas.

A diretora me pediu para ler alguns relatos do padre Quevedo, que acompanhava os soldados espanhóis.

As barbaridades eram tamanhas, que eu não resisti e em meio à leitura me virei para a diretora e disse: “muy amiga!”

Os soldados, já nas aldeias indígenas, faziam barbaridades tipo ver quem conseguia a um só golpe de espada separar as partes dos corpos indígenas.

Outra diversão era tomar bebês pelos pés e arremessar para trás. Vencia quem conseguia lançá-los mais longe.

Pedi para parar a leitura. Estava me vindo ânsias de vômito. Nada daquilo era novo para mim. O contato com a descrição desse grau de crueldade é maligna. A intenção do museu era exatamente expor sem nenhum filtro para tentar construir uma sensibilidade crítica diante da tortura.

Agora me chega esse relato sobre Colombo.

Tudo que for feito para reparar a colonização ibérica e os crimes dos colonizadores é pouco, muito pouco diante dos crimes cometidos.

Não há reparação que consiga se contrapor à barbárie colonial e que se reproduz e permanece até hoje através dos torturadores e os adeptos e defensores da tortura:

O que Cristóvão Colombo trouxe e não é ensinado nas escolas.

O Reinado do Terror de Colombo é um dos capítulos mais sombrios da nossa história. Surpreendentemente, Colombo supervisionou a venda de meninas nativas para escravidão sexual.

As meninas de 9 a 10 anos eram as mais desejadas por seus homens. Em 1500, Colombo casualmente escreveu sobre isso em seu diário. Ele disse: “Cem castelos são tão fáceis de conseguir para uma mulher quanto para uma fazenda, e isso é muito geral e há muitos contrabandistas procurando meninas; agora há demanda por crianças de nove a dez anos.”

Ele forçou esses pacíficos nativos a trabalhar em suas minas de ouro até morrerem de exaustão. Se um trabalhador “indiano” não entregasse sua cota inteira de ouro em pó antes do prazo de Colombo, os soldados cortavam suas mãos e as amarravam em volta do pescoço para enviar uma mensagem. A escravidão era tão insuportável para esse povo doce e gentil da ilha que, a certa altura, uma centena deles cometeu suicídio em massa. A lei católica proibia a escravidão de cristãos, mas Colombo resolveu esse problema. Ele simplesmente se recusou a batizar os nativos de Hispaniola.

Em sua segunda viagem ao Novo Mundo, Colombo trouxe canhões e cães de ataque. Se um nativo resistisse à escravidão, ele cortaria um nariz ou uma orelha. Se os escravos tentassem escapar, Colombo os queimava vivos.

Outras vezes, ele enviava cães de ataque para caçá-los, e os cães arrancavam os braços e as pernas dos nativos que gritavam enquanto ainda estavam vivos. Se os espanhóis ficassem sem carne para alimentar os cães, os bebês Arawak seriam mortos para comer.

Os atos de crueldade de Colombo foram tão indescritíveis e tão lendários – mesmo em sua época – que o governador Francisco De Bobadilla prendeu Colombo e seus dois irmãos, prendeu-os em correntes e os enviou à Espanha para responder por seus crimes contra os Arawaks. Mas o rei e a rainha da Espanha, com seu tesouro cheio de ouro, perdoaram Colombo e o libertaram.

Um dos homens de Colombo, Bartolomé De Las Casas, ficou tão mortificado pelas atrocidades brutais de Colombo contra os nativos que parou de trabalhar para Colombo e se tornou padre católico. Ele descreveu como os espanhóis sob o comando de Colombo cortaram as pernas de crianças que fugiam deles para testar a nitidez de suas lâminas. De acordo com De Las Casas, os homens apostavam em quem, com um único golpe de espada, poderia cortar uma pessoa ao meio.

Diz que os homens de Colombo encheram as pessoas com sabão fervente. Em um único dia, De Las Casas foi uma testemunha ocular de quando soldados espanhóis desmembraram, decapitaram ou estupraram 3.000 nativos. “Essas desumanidades e barbáries foram cometidas aos meus olhos como nenhuma idade pode ser comparada”, escreveu De Las Casas. “Meus olhos viram esses atos tão estranhos à natureza humana que agora tremo enquanto escrevo.”

De Las Casas passou o resto de sua vida tentando proteger os nativos indefesos.  Mas depois de um tempo, não havia mais nativos para proteger. Os especialistas geralmente concordam que antes de 1492, a população da ilha de Hispaniola provavelmente ultrapassava os 3 milhões de habitantes. Vinte anos após a chegada da Espanha, foi reduzido para apenas 60.000. Em 50 anos, nem um único habitante nativo original foi encontrado.

Em 1516, o historiador espanhol Pedro Mártir escreveu:

“Um navio sem bússola, mapa ou guia, mas apenas seguindo o rastro dos índios mortos que haviam sido atirados dos navios onde poderiam encontrar o caminho das Bahamas para Hispaniola.”

Cristóvão Colombo ganhava a maior parte de sua renda com a escravidão, observou De Las Casas. Na verdade, Colombo foi o primeiro comerciante de escravos nas Américas.  Quando os escravos nativos morreram, foram substituídos por escravos negros. O filho de Colombo se tornou o primeiro negociante de escravos africano em 1505.

Fontes: Comércio de escravos – Assassinos em massa – Cólon Central Irlandês – Livro de Todorov, A Conquista da América.  Trechos de Bartolome de las Casas.

Juca Ferreira
Juca Ferreira
Sociólogo, foi ministro da Cultura e é ex-secretário de Cultura de Belo Horizonte