O autoritarismo do “Escola Sem Partido” e a doutrinação dos outros – Por Elika Takimoto

Quando educamos para a reflexão somos acusados de doutrinadores e, ontem, o que vimos foi, literalmente, uma aula de doutrinação nível advanced plus master

Quando o projeto “Escola Sem Partido” começou a ser falado, alertamos sobre o quanto o nome enganava. Os mesmos que hoje defendem a liberdade do médico receitar o que quiser, porque é formado para isso, querem amordaçar professores e professoras.

Incomodava o debate que travamos na escola, a história da África ser ensinada, o respeito às diferenças ser um princípio, a tolerância religiosa ser incentivada, a filosofia estar na grade curricular, enfim, incomodava a reflexão promovida.

Em cima disso, surgiram as escolas cívico-militares. Disseram que iria ser uma escola sem partido.

Segundo esse sistema, militares atuam no comando da gestão escolar e da gestão educacional, enquanto professores e professoras dão sua aulinha café com leite baseado em cartilhas a lá século 18.

Alertamos que isso seria a antítese da Educação e recebemos como resposta “chola mais”, “vai para Cuba”, “Mito”.

Ontem, não sei se vocês viram, foi filmado um evento na escola Cívico-Militar carioca General Abreu, onde jovens não podem usar cabelo solto, pintar unhas dentre outras ordens autoritárias que buscam a ordem reprimindo as individualidades.

A cena é deprimente. Em meio à maior crise sanitária, estudantes estão aglomerados no pátio enfileirados. Como se não bastasse, há uma pessoa gritando frases e os alunos e alunas repetindo a seguir:

“Muitos querem, mas não podem / Nós queremos e podemos / Nós somos nós e o resto é o resto / Brasil acima de tudo, abaixo de Deus”.

Publicidade

É a ignorância em seu estudo bruto intocada por Paulo Freire, Darcy Ribeiro, Anísio Teixeira, Florestan Fernandes e Maria Montessori.

No lugar de trabalhar para o coletivo, ensinam que cada pessoa deve olhar somente para si. No lugar de compreender a realidade e atuar como um agente de mudança para um mundo melhor e pela diminuição e compreensão das causas das desigualdades, ensinam a usufruir do privilégio. Em lugar de proteger, expõem alunos e alunas a um vírus que já matou meio milhão de brasileiros e brasileiras.

Publicidade

Como a democracia agoniza, mas não morre, houve justiça e a secretaria municipal de Educação do Rio de Janeiro exonerou ontem (25) a direção da escola municipal, que foi inaugurada em agosto do ano passado.

Quando educamos para a reflexão somos acusados de doutrinadores e, ontem, o que vimos foi, literalmente, uma aula de doutrinação nível advanced plus master.

Foi um caso pontual? Não. Foi um caso filmado. Essa é a regra que eles têm orgulho de defender. A obediência acrítica, burra e passiva é pontuada. Perde ponto quem questionar o sentido de tudo isso. 

Por que não implementar o mesmo modelo dos institutos federais que já provou ser bem eficiente em termos de resultados e muito mais barato para o Estado? A resposta foi dada nas imagens. Para manter um autoritário no poder, é necessário impedir o livre pensamento.

**Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum.

Avatar de Elika Takimoto

Elika Takimoto

Vencedora do Prêmio Saraiva Literatura, doutora em Filosofia, mestre em História, professora e coordenadora de física do Cefet, autora de dez livros e mãe de três artistas.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR