BBB e o Deus Libertador de Gil do Vigor – Por pastor Zé Barbosa Jr

Depois de sua retrospectiva, o participante disse algo que me emocionou: “Aqui dentro descobri que sou amado por Deus do jeito que eu sou, sem precisar ser outra coisa senão eu mesmo!”

Ontem foi a primeira vez que, por acaso, parei para ver o BBB 21. Sou da turma que não gosta do reality, mas também da turma que não critica quem assiste. Apenas não vejo. E ponto. No entanto, ontem foi um dia que valeu a pena assistir, por ver o “histórico” do participante que acabou eliminado, Gil do Vigor. E confesso que me marcou profundamente. Não sei quem vencerá, mas já acredito que o pernambucano Gil já tenha sido o grande vencedor, por um simples motivo: Assumir e celebrar tanto sua homoafetividade quanto sua fé.

No momento de “histórico” de Gil, uma frase me marcou muito. Disse ele, aos prantos, algo do tipo: “é triste demais saber que o livro que eu tanto amo diz que eu sou maldito diante de Deus!”. Como isso mexeu comigo. Há alguns anos tenho caminhado junto à comunidade LGBTQIA+ e, principalmente, lidado com muitas pessoas que atravessam o drama de Gil: São homossexuais e têm uma fé viva no Cristo. Contra tudo e todos, já que recebem críticas dos dois lados, da maioria esmagadora dos cristãos por ser homoafetivo e por parte da comunidade LGBTQIA+ por insistir numa fé que, para muitos, é a representação e a legitimação da opressão que sofrem.

Lembro-me quando, em 2015, fui com um grupo de cristãos à Parada do Orgulho LGBT de São Paulo, num ato que acabou virando um movimento, chamado “Jesus cura a homofobia”, com cartazes e faixas que pedíamos perdão aos gays, lésbicas, travestis, transexuais, queers, intersexos, etc, pela forma como a Igreja lhes excluiu durante anos/séculos dessa possibilidade de fé sem abrir mão de sua sexualidade “diversa”. Foi um momento marcante. Tão marcante quanto o ato, 15 dias depois, junto ao padre Júlio Lancellotti, de lavarmos os pés da Viviane Belebony, transexual que apareceu “crucificada” durante a Parada.

Tudo isso por conta de uma leitura perversa e excludente do texto bíblico que, não hesito em afirmar (e o faço juntamente com muitos e muitas teólogos e teólogas), não condena a homoafetividade em momento algum, sendo os textos “condenatórios” geralmente falhos em suas interpretações e, algumas vezes, traduções equivocadas e manipuladas para condenarem pessoas “ao inferno” simplesmente por viverem de forma tranquila e feliz (como deveria ser) sua sexualidade diversa do padrão heterocisnormativo de nossa sociedade hipócrita.

Gil foi um corajoso! Gil é um corajoso! Depois de sua retrospectiva disse algo que me emocionou: “Aqui dentro descobri que sou amado por Deus do jeito que eu sou, sem precisar ser outra coisa senão eu mesmo!”. Ah, Gil!!! Pois não é que foi no BBB que você realmente se encontrou com Deus? Infelizmente na maioria das igrejas você não o encontraria… Ele (ou Ela) passa longe desses lugares repletos de juízes e algozes. Deus é Amor, e Amor que gera Liberdade! Sim, Gil, você pode ser gay e Cristão. E celebrar isso!

E Deus, nessa hora, faz surgir um arco-íris no céu, para celebrar mais um filho dele que O encontra, feliz e pleno em sua diversidade sexual, e podendo, profeticamente, dizer que, enquanto isso não for celebrado por todos… “O Brasil tá lascado!”

Vem ser feliz aqui fora, Gil! E Deus sorri contigo!

**Este texto não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum.

Avatar de Zé Barbosa Junior

Zé Barbosa Junior

Teólogo, pastor da Comunidade Cristã da Lapa, escritor, membro do Comitê Estadual de Defesa da diversidade religiosa de MG